Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

Às vésperas da posse, esquadrão antibomba é acionado por causa de mala achada em ministério

Militares da PM-DF chegaram a usar o aparato para esse tipo de operação, mas a mala estava com roupas e nenhum tipo de material explosivo foi encontrado

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de dezembro de 2018 | 13h44

BRASÍLIA - O esquadrão antibombas da Polícia Militar do Distrito Federal foi acionado após um segurança ter encontrado uma mala nos arredores do prédio do Ministério do Planejamento. Militares do Batalhão de Operações Especiais (Bope) chegaram a usar o aparato para esse tipo de operação, mas a mala estava com roupas e nenhum tipo de material explosivo foi encontrado, segundo a Secretaria de Segurança Pública do DF.

A partir deste sábado, a Esplanada dos Ministérios está fechada para trânsito de veículos por causa da posse do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). A cerimônia será no dia 1º de janeiro. São esperadas 500 mil pessoas no evento. Para lidar com o tamanho do público e o risco de um possível novo atentado contra o presidente eleito, as forças de segurança do DF e da Presidência montaram a "Operação Posse".

Cerca de 2,6 mil policiais militares trabalharão na região da Esplanada. Serão 36 agentes do Detran e mais 350 militares do Corpo de Bombeiros e 25 viaturas prontos para a Operação. Será proibida a entrada de pessoas com bebidas alcoólicas, garrafas, fogos de artifício, apontadores de laser, animais, bolsas, mochilas, máscaras, produtos inflamáveis, armas de fogo, objetos cortantes, drones e até carrinhos de bebê. Haverá revista manual e detector de metais para entrar na cerimônia. 

Devido ao atentado a faca sofrido por Bolsonaro em setembro, durante a campanha, o esquema de segurança da cerimônia será reforçado. Ainda não foi definido se o presidente eleito desfilará a bordo do Rolls-Royce conversível, tradicional veículo usado durante cerimônias pelos presidentes desde a década de 1950. O carro foi utilizado no primeiro ensaio na Esplanada, realizado no domingo, 23.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.