'As pessoas estão pagando mais porque ganham mais', diz Lula

Presidente voltou a defender nesta sexta-feira a prorrogação da CPMF e diz que imposto do cheque 'é justo'

Fausto Macedo, do Estadão,

05 Outubro 2007 | 12h52

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse em entrevista coletiva nesta sexta-feira, 5, em Santa Catarina, acreditar que a CPMF é um imposto "justo" e que, se  "as pessoas estão pagando mais, é porque estão ganhando mais".  Veja também:Especial sobre a CPMF  Lula admite tirar licença para pedir voto a sucessor  "A CPMF é um imposto justo. Quando vocês conversarem com alguém que faça críticas à carga tributária, perguntem a eles, que imposto aumentou? Eu poderia perguntar aqui para vocês, que imposto aumentou para o jornalista brasileiro, ou para quem vive de salários. Nenhum. Na verdade, é que as pessoas estão pagando mais, porque estão ganhando mais".   Lula disse acreditar também que a prorrogação do tributo deverá ser aprovada tanto na Câmara como no Senado, e salientou que "O Brasil não pode ter medo de arrecadar mais." A afirmação foi feita após a cerimônia em que o Banco do Brasil assumiu o Banco de Santa Catarina (BESC).  Lula afirmou que não é preciso ter medo "porque o mal do Brasil é que durante muito tempo ele arrecadou menos. Então, o Brasil precisa arrecadar o justo para fazer a política social justa, que o País necessita. Por isso, estou convencido de que a Câmara e o Senado vão aprovar a CPMF." A declaração foi dada após o presidente explicar que o governo realizou uma série de desonerações e que em 2006 uma delas chegou a desonerar R$ 32 bilhões, ou seja valor equivalente à arrecadação de um ano de CPMF. O presidente ao responder uma pergunta se o governo faria alguma desoneração após a aprovação da CPMF, afirmou: "Nós já fizemos. As pessoas esquecem com muita facilidade as coisas. Esquecem que nós fizemos R$ 32 bilhões em desoneração em 2006. Foram R$ 32 bilhões que eu poderia estar aplicando em políticas sociais. Entretanto, nós desoneramos uma CPMF.  As pessoas já esqueceram que acabamos de aprovar Lei Geral da Micro, Pequena e Média Empresa, que vai gerar um outro rito de pagamento de imposto para a micro, pequena e média empresa e vai ter uma desoneração de mais de R$ 5 bilhões. Esquecem das coisas que já aconteceu e ficam apenas discutindo as coisas que podem acontecer". Indagado pelos jornalistas se havia chamado senadores do PMDB para aprovar a CPMF ou se estaria preocupado com a CPMF no Senado, o presidente da República disse achar que os parlamentares "vão aprovar a CPMF.   Fidelidade partidária Na sua avaliação sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre fidelidade partidária, Lula salientou que agora temos " a decisão dela, temos que respeitar,e fazer cumprir". Explicou ainda que não tem "orientação a minha base, não tem porque orientar a base, é uma decisão da Suprema Corte. Alguns partidos que se sentiram prejudicados, queriam um parecer da Suprema Corte e ela deu. Cautela e caldo de galinha não faz mal para ninguém, portanto, nem governador, nem presidente comentam". Disse achar "positiva a fidelidade partidária. É uma coisa importante, até para fortalecer os partidos políticos. É muito importante.Agora, estas coisas você não pode mexer no meio do caminho. Essas coisas você precisa construir com as pessoas sendo candidatas, sabendo que as regras são estas e que portanto, não podem mudar. Às vezes não é apenas um deputado que muda, ou senador. Às vezes é o partido que muda. Neste caso, nós temos partidos que até mudou de nome. Portanto, deputados não são obrigados a ficar no partido que tem um nome diferenciado." Licença em 2010 Questionado se iria se licenciar em 2010 para participar de campanha política, ele explicou: "Não estou pensando em 2010. Estou pensando no Brasil, em governar este País até o dia 31 de dezembro de 2010. Quando chegar 2010, que ainda falta muito, três anos ainda, é que eu vou pensar em 2010."  Texto atualizado às 14h15

Mais conteúdo sobre:
CPMFfidelidade partidária

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.