As guloseimas secretas do Aerolula

Foram US$ 80 só em chiclete na ida aos EUA

O Estadao de S.Paulo

12 de abril de 2008 | 00h00

Gastos de US$ 103,50 em barras de chocolate. Outros US$ 410,80 em quatro tipos de canapés frios. Mais US$ 104,28 em sorvetes. Despesas de US$ 80 em chicletes. US$ 17,40 em gelatinas. Esses foram alguns dos gastos com alimentação feitos nos aviões que serviram o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a sua comitiva em viagem para Nova York, em setembro do ano passado.Reveladas pelo deputado Vic Pires Franco (DEM-PA) e apresentadas à CPI dos Cartões, as despesas serão usadas agora pelos partidos de oposição como arma para abrir o sigilo dos gastos feitos pelos cartões de crédito corporativo da Presidência da República. "Essas despesas com sorvetes e canapés deixam claro que o sigilo da Presidência esconde pagamentos que não deveriam ter nada de secreto", afirma o presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ)."Não tenho dúvida de que o sigilo que resguarda despesas que envolvem a segurança do presidente também protege gastos desnecessários. Essas despesas parecem explicar por que dentro do governo tem havido tantos gastos duvidosos, como compras em free shop", citou Maia, referindo-se às suspeitas levantadas contra a ex-ministra da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial Matilde Ribeiro que levaram à sua demissão. O ministro-chefe do Gabinete da Segurança Institucional, general Jorge Armando Félix, criticou a revelação desses gastos secretos feitos na viagem de Lula aos EUA. E repetiu em seu depoimento à CPI dos Cartões que o sigilo desse tipo de gasto preserva a segurança do presidente.Nas despesas com os cartões corporativos, a maioria dos gastos da Presidência tem seu conteúdo vedado. De acordo com dados obtidos no Portal da Transparência, apenas em 2007 a Secretaria da Presidência teve um total de gastos sigilosos de R$ 3.845.111,36. Incluída dentro da rubrica da Presidência da República, as despesas da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), também de conteúdo secreto, foram mais altas ainda no ano passado: R$ 11.556.642,08.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.