Artigo do 'El País' compara crescimento brasileiro a modelo asiático

Especialista descreve história econômica do Brasil em artigo publicado no jornal.

Da BBC Brasil, BBC

18 de março de 2008 | 08h35

Em artigo publicado nesta terça-feira, o diário espanhol El País compara o crescimento da economia brasileira ao modelo asiático, afirmando que o Brasil fez uma "adaptação peculiar" do modelo asiático."No segundo mandato do presidente Lula se optou por uma política econômica que pretende compatibilizar a estabilidade com o relançamento do desenvolvimento e um forte impulso de investimento industrial", afirma o artigo assinado por Alfredo Arahuetes, tido como um dos maiores especialistas da Espanha em investimentos na América Latina, e professor de Economia Internacional da Universidade Pontifícia Comillas de Madri.O artigo destaca que no ano passado o Brasil renovou sua posição como décima economia do mundo, à frente da Rússia, Coréia do Sul e Índia, e que o país é a maior economia da América Latina e seu PIB representa pelo menos um terço do PIB da região. "Como o Brasil chegou a ser uma economia tão destacada?", pergunta o artigo.Arahuetes explica que o desenvolvimento industrial brasileiro iniciado nos anos 50 e a expansão do setor nos anos 60 e 70 contribuíram para que a economia brasileira crescesse a uma taxa anual média de 7,8%. "O crescimento durante este longo período se orientou para o mercado interno", afirma o economista, que lembra que, na época, a economia "estava pouco aberta ao exterior".No fim dos anos 90 e início dos anos 2000, "o Brasil seguiu a dupla estratégia de ser global trader e promover maior integração com os países da América Latina. A estratégia deu seus frutos nos dois âmbitos", diz o artigo.O economista explica que, ao chegar à presidência, Luiz Inácio Lula da Silva "apostou em uma prudente ortodoxia" com fins de reduzir a dívida pública. A desvalorização do real e a demanda internacional por matérias primas - graças ao crescimento econômico de países como a China e a Índia, impulsionaram as exportações brasileiras levando o país a retomar o crescimento. "Ao mesmo tempo, o Brasil recuperou a capacidade de atrair investimento direto de empresas estrangeiras ao ponto de situar-se em segunda posição entre os países emergentes, atrás apenas da China."Isso deu origem a uma mudança na inserção do Brasil na economia internacional: "A inserção financeira deu origem à inserção comercial parecida com a seguida pelas economias asiáticas, fortalecida com a entrada de investimentos diretos". Com isso, o país quase triplicou o valor de suas exportações entre 2002 e 2007, obteve superávits comerciais e de conta corrente, e acumulou reservas no valor de 182 milhões de dólares ao fim do ano passado."No segundo mandato, iniciado há um ano, Lula mudou o rumo para uma ortodoxia prudente compatível com o relançamento do desenvolvimento. Quer dizer, estabilidade com forte impulso de investimento em setores industriais intensivos em capital e em infra-estruturas (com o PAC), com o dinamismo necessário tanto para um crescimento sustentável como para o fortalecimento da capacidade exportadora e a substituição das importações ao estilo das economias asiáticas", além de promover a redução da pobreza e melhorias na distribuição de renda, afirma o economista.O autor comenta o aumento da integração regional e conclui dizendo que "o Brasil parece apostar em intensificar a integração com os países da região mediante um esquema de geometria variável que permita o desenvolvimento da 'fábrica América Latina' com alimentos, matérias primas e energia, uma adaptação particular da 'fábrica Ásia'." BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.