George Gianni / PSDB
George Gianni / PSDB

Arthur Virgílio pede que Alckmin acabe com 'disse-me-disse' sobre prévias

Prefeito de Manaus enviou carta a governador de São Paulo reforçando pedido de disputa interna pela Presidência, no qual os dois são candidatos; ex-presidente interino do PSDB disse que prévia é 'tecnicamente inviável'

Pedro Venceslau e Marianna Holanda, O Estado de S.Paulo

11 Dezembro 2017 | 21h02

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio (PSDB), escreveu uma carta, nesta segunda-feira, 11, para o governador e presidente do partido, Geraldo Alckmin (PSDB), na qual faz um apelo para que ele faça prévias no partido para definir o candidato para a Presidência da República. Os dois postulam ao cargo em 2018.

++ Arthur Virgílio diz que vai disputar prévias com Alckmin para candidatura em março

++ Para Alberto Goldman, prévia ampla no PSDB é 'tecnicamente inviável'

“Somente me resta, agora, opinar que a única postura que lhe cabe, neste momento, é acabar com esse disse-me-disse sobre as prévias”, diz o prefeito na carta. “Companheiro, enfrente-me em campo aberto. Ou perderemos mais uma eleição e nos tornaremos cada vez mais irrelevantes na cena política brasileira”.

No último sábado, 9, a cúpula tucana decidiu pela realização de uma disputa interna entre o prefeito e o governador para decidir o candidato a presidente. Horas depois, o ex-presidente interino Alberto Goldmann disse que prévias com todos os filiados é “tecnicamente inviável”, porque o cadastro dos filiados não está atualizado

A carta pede ainda que sejam realizados dez debates “respeitosos, porém duros” entre os dois em diferentes cidades “estratégicas”, e que as pré-campanhas teriam recursos do fundo partidário dividido “em partes milimetricamente iguais”. “Gente com vocação para a vitória, afinal, não usa de escapismos para fugir a um enfrentamento saudável e necessário”, disse o prefeito.

++ Goldman diz que PSDB nunca embarcou no governo Michel Temer

++ Em SP, Alckmin equilibra contas, mas atrasa obras

Virgílio diz ainda ter sofrido retaliações durante a convenção do partido, realizada no último final de semana. Na carta, diz ter ficado "durante penosos minutos" sem saber se teria um lugar à mesa. Reclama ainda da sua "ausência" no perfil tucano no instagram, Rede 45, e diz que a altura do som foi reduzida quando foi discursar. 

++ Governo paulista reduz gasto com social

O encontro entre os tucanos no sábado definiu que as prévias entre Alckmin e Virgílio acontecerão em março do ano que vem. O governador de São Paulo se manifestou favoravelmente à disputa interna, a que chamou de “legitima”.


Confira a íntegra da carta:

                                      Manaus, em 11 de dezembro de 2017

Caro Geraldo,

          Na reunião da última sexta feira, dia 08 deste mês, patrocinada pelo Tasso, decidimos, você e eu, sobre os seguintes pontos:

O PSDB realizará prévias para escolha do seu candidato à Presidência da República nas eleições de outubro de 2018. “Prévias amplas, gerais e irrestritas”, abertas portanto a todos os filiados ao partido que nele militem há, pelo menos, um ano. Hoje leio declaração do ex-presidente interino Alberto Goldman, dizendo ser impossível tal realização democrática, numa linha de argumentação que não me convence e, sem dúvida, convence, menos ainda, o povo brasileiro. Confio em que sua palavra é, foi e será definitiva. Espero que o ilustre companheiro declare, alto e bom som, que as prévias acontecerão e que oportunidades iguais serão dadas aos dois postulantes à indicação para a disputa presidencial;

Falando em igualdade, repiso que, há meses, requisitei formalmente, à direção nacional, a lista com nome, e-mail, telefones e endereço de cada filiado ao PSDB. Como não obtive êxito, repito a você a justa reinvidicação. Tão justa, que poderia, até mesmo, seguir em tom de cabível exigência. Gente com vocação para a vitória, afinal, não usa de escapismos para fugir a um enfrentamento saudável e necessário;

Do mesmo modo, acertamos, eu e você, que a pré-campanha, certamente, haveria de contar com recursos do fundo partidário, divididos em partes milimetricamente iguais entre as suas atividades e as minhas;

Finalmente, realizaríamos pelo menos dez debates , nas mais estratégicas cidades brasileiras. Debates respeitosos, porém duros, que exporão o PSDB, com seus feitos e suas mazelas, com suas ações e omissões, ao escrutínio da militância e, sobretudo, ao olho no olho com a nação brasileira.

Sobre a convenção, nela registrei alguns fatos insólitos: 1) durante penosos minutos, fiquei sem saber se teria lugar à mesa ou não; 2) visivelmente reduziram a potência do som, quando discursei; 3) para o instagram da Rede 45, eu simplesmente “não fui” à convenção. Que feio! 4) quando se começou a entoar o hino nacional, um certo cidadão, que dizem ligado a você, genro não sei bem de quem, intrometeu-se, bruscamente, entre o presidente Fernando Henrique e eu, espero que mandado por ninguém, certamente com intuito de evitar alguma 1a página retratando aquele momento entre o notável sociólogo e seu antigo ministro e duas vezes líder do seu governo. Miudezas, Geraldo, que - tenho certeza! - não fazem parte da perspectiva generosa que, obrigatoriamente, deve fazer parte do caráter de um candidato a dirigir o Brasil.

Fiquei feliz com as “vaias” de uma das charangas, porque elas logo silenciaram – e viraram aplausos – diante das razões de quem não é dúbio  e não teme jogar na casa do adversário. Não confundamos, aliás, o conceito do PSDB, junto aos brasileiros, com a convenção tão recentemente realizada. O Brasil estava bem distante das centenas de pessoas que foram ao nosso evento, levadas, em suas maioria, por lideranças partidárias. Eu mesmo levei minha “claque”: minha esposa, um deputado estadual, um vereador, um dirigente, e mais duas ou três pessoas. Uma multidão!

Não permita, por fim, que se agigante um sentimento de rancor contra o seu estado, meu prezado Geraldo. O deputado Caio Nárcio tentou subir ao palanque, para abraçar alguém, e foi barrado por uma senhora de postura marcial: “o senhor não pode subir”. Ao que o deputado respondeu: “Sei que não posso. “Não sou paulista”.

Você sabe como discordei, apesar de toda a estima pessoal, de termos um presidente do PSDB que, ao mesmo tempo, fosse postulante à presidência da República. O gesto truculento contra o Tasso, soa então como pessoal. E o desmentido dessa jurisprudência, pois, soa como casuística também. Somente me resta, agora, opinar que a única postura que lhe cabe, neste momento, é acabar com esse disse-me-disse sobre as prévias. Declare, com a firmeza que o caracteriza, que elas acontecerão...e serão amplas, irrestritas, livres e lisas.

Declare que o PSDB terá de fechar questão a favor da reforma da previdência, em nome do Brasil e não das próximas eleições. Declare que conduzirá nosso partido pelo caminho aberto do reencontro com os brasileiros e não pelos atalhos que levam a decisões de cúpula, ao menoscabo aos nossos militantes.

Enfim, companheiro, enfrente-me em campo aberto. Ou perderemos mais uma eleição e nos tornaremos cada vez mais irrelevantes na cena política brasileira.

Saudações tucanas.

Arthur Virgílio Neto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.