Arthur Virgílio critica governo em reunião de tucanos no Rio

O líder do PSDB no Senado, senador Arthur Virgílio, fez duras críticas ao governo durante a reunião nacional tucana, que está sendo realizada hoje no Rio. "Este governo precisa de muita oposição, porque precisa melhorar muito", adiantou Virgílio. ?Temos que ser uma oposição firme e dura, mas jamais irracional ou estúpida, como a que sofremos por parte do PT". Para o senador, o governo "está colhendo do veneno que plantou" ao referir-se ao Movimento dos Sem Terra (MST), que chamou de ?revolucionário?, e ao Movimento dos Sem- Teto, que chamou de ?anárquico?. "O Lula acha que usa o Stédile (João Pedro Stédile, líder do MST), e o Stédile acha que usa o Lula. Isso traz instabilidade para a política brasileira". Virgílio comparou Stédile e Lula a líderes políticos russos. "Stédile fantasia que é Lênin, e o Lula fantasia que é Kerenski (primeiro ministro do governo socialista moderado da Rússia)". Para o senador, o MST e os sem-teto não são movimentos sociais, mas revolucionários e anárquicos que, segundo ele, foram aparelhados pelo PT. Arthur Virgílio chegou a comparar o governo Lula com o governo João Goulart. "Vejo neste governo fraqueza e fragilidade, tanto quanto vejo historicamente no governo João Goulart", disse. Questionado se isso significa que considera que há algum perigo de golpe político no Brasil, o senador negou: "O Brasil é outro hoje. Não vejo risco de golpe, e nem nós permitiríamos. Mas digo que este é um governo de oportunidades históricas perdidas, e isso é muito cruel". Prosseguindo nos ataques ao governo petista, o senador disse também que "o Lula não está bem, o governo não está bem. É preciso uma virada de rumo, uma reforma ministerial". Virgílio acusou o governo de ter "um ritmo frouxo, vacilante e prepotente". O encontro nacional do PSDB prosseguirá durante todo o dia no Rio e deverá marcar a formação de uma frente ampla do partido de oposição ao governo Lula. InstabilidadeO presidente do PSDB, José Aníbal, disse que o diálogo dos governadores com o governo está sendo prejudicado porque não há um posicionamento nítido e claro das lideranças petistas. "Os governadores vão lá, e depois as coisas são modificadas pelo governo. É difícil uma mudança constitucional com tal instabilidade, porque os governadores precisam convencer as suas bancadas". Aníbal disse que o governo está errando também na antecipação dos movimentos em torno da campanha eleitoral do próximo ano. Segundo ele, desde março o próprio presidente Lula "vem lançando candidatos às prefeituras, quando devia estar governando o País". O ex-candidato do PSDB à presidência da República, José Serra, comparecerá por volta das 15h à reunião do partido, que está acontecendo em hotel próximo ao centro do Rio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.