Arruda vai ser notificado hoje sobre processo de impeachment

Governador licenciado do Distrito Federal se recusou a assinar o documento na última sexta-feira

Carol Pires, da Agência Estado,

08 de março de 2010 | 13h00

O governador licenciado do Distrito Federal, José Roberto Arruda (sem partido, ex-DEM) deve ser notificado nesta segunda-feira, 8, pelo primeiro-secretário da Câmara Legislativa, deputado Batista das Cooperativas (PRP), sobre o processo de impeachment dele, aprovado pela Casa na semana passada. Batista tentou notificar Arruda na última sexta-feira, 5, mas o governador se recusou a assinar o documento alegando que a cópia do inquérito não estava anexada à notificação.

 

Veja também:

linkSTJ pede autorização para processar Arruda

linkDeputado voltará à PF para notificar Arruda

blog Blog do Bosco: Paulo Octávio na Justiça comum

mais imagens 'Masmorra' de Arruda tem frigobar, sofá e ar

 

A estratégia de Arruda foi ganhar tempo no cargo e não precisar renunciar enquanto estiver preso, para não perder o foro especial. O governador afastado está preso sob acusação de tentativa de suborno de uma das testemunhas do "mensalão do DEM", esquema de corrupção que seria chefiado por ele.

 

Ainda na sexta-feira, o presidente da Câmara, Cabo Patrício (PT), determinou que Batista das Cooperativas voltasse nesta segunda-feira à Polícia Federal e tentasse notificar o governador novamente. Hoje, o assunto foi submetido à Mesa Diretora e aprovado pelos deputados. Batista das Cooperativas irá ao encontro de Arruda na Polícia Federal hoje, às 17h, segundo ficou combinado em reunião da Mesa Diretora, que durou toda a manhã.

 

Dois procuradores da Câmara acompanharão o deputado para servirem de testemunhas. Caso o governador se recuse mais uma vez a receber a notificação, as duas testemunhas podem assinar termo comprovando que Arruda foi comunicado à revelia. Assim, o prazo de 20 dias que o governador licenciado tem para apresentar defesa à Câmara Legislativa pode começar a ser contado.

 

José Roberto Arruda é acusado, em inquérito da Operação Caixa de Pandora, de ser o mentor de um esquema de corrupção conhecido como "mensalão do DEM", que arrecadava propina entre empresas contratadas pelo governo e dividia o dinheiro ilegal entre secretários, assessores e deputados da base aliada.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãoDFCPICâmara

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.