Arruda toma posse no DF e cobra ética em discurso

O ex-deputado federal José Roberto Arruda (PFL) foi empossado nesta segunda-feira para o governo do Distrito Federal, em solenidade no plenário da Câmara Legislativa. Em seu discurso, ele disse que os políticos precisam ter cuidado para não desiludir as pessoas. "E o que seria pior: deixar que elas transfiram essa desilusão para a própria democracia, que deve ser permanente", afirmou. Arruda acrescentou que os políticos têm de agir "estritamente de forma ética, sem nenhum tipo de permissividade". Há cinco anos, ele foi obrigado a renunciar ao seu mandato no Senado, por ter se envolvido no escândalo da quebra do sigilo do painel eletrônico, na votação da cassação do ex-senador Luiz Estevão. Durante seu discurso, o governador também agradeceu ao seu vice, Paulo Otávio (PFL), por ter renunciado ao cargo de senador para se dedicar ao governo. "Este é um dos gestos mais difíceis de um homem de vida pública", afirmou Arruda. Ele foi o único governador eleito pelo PFL. A solenidade de posse contou apenas com a presença de políticos locais como o ex-governador Joaquim Roriz, eleito para o Senado, pelo PMDB. Arruda também afirmou que seu governo terá que tomar medidas duras. "Faremos isso com o mesmo espírito do pai que ajuda o filho a corrigir o seu caminho", disse. O governador ressaltou que espera contar com o apoio da população para a adoção dessas medidas que vão ajudar a conter o que ele chamou de ameaça de destruição de Brasília. Ele destacou ainda que pretende evitar o uso indiscriminado do solo no Distrito Federal. "Não podemos deixar que isso destrua a cidade construída por Juscelino Kubitschek". Por fim, Arruda afirmou que, a partir desta terça-feira, ele, seu vice e os secretários vão trabalhar em uma mesma sala, sem divisórias e com mesas sem gavetas. De acordo com o governador, esse modelo de gestão foi inspirado naquilo que, segundo ele, vem dando certo no setor privado. "Estaremos em total harmonia, em tempo integral e em contato permanente, discutindo a melhor forma de resolver os problemas das nossas cidades", disse. Às 14h30, será realizada a cerimônia de transmissão de cargo do governador no Palácio do Buriti, sede do governo do Distrito Federal. A transmissão será feita pela atual governadora, Maria Abadia (PSDB). Trajetória política A carreira política de José Roberto Arruda chegou a ser dada como encerrada em 2001, depois de ele ter renunciado ao mandato de senador para não ser cassado pela violação do painel eletrônico do Senado. Um ano antes, após a votação secreta que cassou o senador Luiz Estevão (PMDB-DF), Arruda e Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA) foram acusados de quebra de decoro parlamentar por terem revelado como votaram os senadores. "Não matei, nem roubei ou desviei dinheiro público, mas cometi um grande erro, talvez o maior da minha vida", disse Arruda, no discurso de renúncia e repetidas vezes depois. O governador do Distrito Federal era membro do PSDB e líder do governo no Senado, em 2001. Quando renunciou, no entanto, já havia sido afastado da liderança do governo e também havia deixado o antigo partido. Arruda, 48 anos, é engenheiro eletricista nascido em Itajubá, Minas Gerais. Ele começou sua carreira no serviço público em 1979, como diretor da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap). Com o fim do regime militar, tornou-se diretor da Companhia Energética de Brasília (CEB) nas gestões de José Aparecido de Oliveira (1985-1988) e Joaquim Roriz (1988-1990), nomeados por José Sarney. Roriz assumiu o governo do Distrito Federal em janeiro de 1991 e Arruda ficou à frente de seu gabinete civil e, depois, tornou-se secretário de Obras. Ficou no cargo até 1994, quando disputou a eleição para o Senado pelo PP, perdendo a vaga para o então petista Lauro Campos. Em 1995, Arruda ingressou no PSDB, enquanto Roriz se filiou ao PMDB. Em 1998, ambos disputaram a eleição para o governo do Distrito Federal. Arruda foi novamente derrotado, no primeiro turno, pelos candidatos Cristovam Buarque (PT) e Roriz. De 1995 a 2001, o governador do Distrito Federal foi senador e, nas eleições de 2002, foi o deputado federal mais votado do País, em termos proporcionais. Casado com a atriz Mariane Vicentini, Arruda é pai de oito filhos, sendo quatro adotados. Com informações da agência Reuters

Agencia Estado,

01 Janeiro 2007 | 13h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.