Arruda será ouvido nesta segunda-feira pela Polícia Federal

Depoimento do ex-governador pode revelar detalhes sobre o esquema de corrupção do DF

Vannildo Mendes, da Agência Estado

28 de março de 2010 | 17h33

Cassado e preso, ex-governador José Roberto Arruda (sem partido) vai começar nesta segunda-feira, 29, a dar sua versão sobre o esquema de corrupção do DF, investigado pela Operação Caixa de Pandora. Essa é a primeira vez que ele será ouvido no inquérito 650, do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e suas revelações devem complicar a situação de várias pessoas, sobretudo o ex-governador Joaquim Roriz.

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifMP é favorável à permanência de Arruda na prisão

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifCâmara marca eleição no DF para 17 de abril

 

Desencadeada em 27 de novembro passado, a Caixa de Pandora desmantelou o esquema, que consistia na distribuição de propinas a parlamentares e membros do alto escalão do governo. O dinheiro, conforme revelou o ex-secretário de Relações Institucionais Durval Barbosa, réu colaborador do inquérito, seria arrecadado de empresários, sobretudo da área de informática, detentores de contratos superfaturados no governo.

 

O depoimento, que começa às 14h, na Superintendência da PF, é o primeiro passo para libertação do ex-governador, que poderá passar o feriado da Semana Santa em casa. Agora sem chance de voltar ao cargo, uma vez que não recorreu da cassação imposta pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Arruda, em tese, não teria mais o poder de interferir no inquérito e o prolongamento de sua prisão poderia configurar "constrangimento ilegal", no entender do ministro Fernando Gonçalves, relator do caso no STJ.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.