Arruda se recusa a ficar de jejum e adia exames

Governador afastado do Distrito Federal está preso desde o dia 11 de fevereiro em Brasília

estadao.com.br,

10 de março de 2010 | 11h15

O governador afastado do Distrito Federal, José Roberto Arruda, se recusou a fazer jejum e, com isso, não poderá realizar nesta quarta-feira, 10, dois dos três exames solicitados por seu médico, o cardiologista Brasil Caiado. Com a opção por não ficar em jejum, nesta quarta-feira só será possível realizar o eletrocardiograma, e os exames de urina e de sangue foram adiados, inicialmente, para quinta-feira, 11.

 

Veja também:

linkSTJ aceita pedido para médico particular visitar Arruda

linkExames não mostram alteração em saúde de Arruda, diz PF

linkFlávia Arruda: recebimento de dinheiro é normal

linkJOÃO BOSCO RABELLO: Intervenção favorece governo pós-Arruda

 

O cardiologista disse que fará seis medições diárias da pressão arterial dele, durante três dias. O objetivo é avaliar o quadro de saúde de Arruda, para definir os próximos passos do acompanhamento médico.

 

Caiado afirmou que, inicialmente, fará os exames considerados mais simples. Ele chegou à Superintendência da Polícia Federal com um aparelho de eletrocardiograma para fazer os exames.

 

"A questão da depressão, da tensão e do estresse que ele está passando, em um paciente hipertenso e diabético, transforma-o em um paciente de risco muito maior, uma vez que eventos coronarianos às vezes aparecem mais nesta fase", disse o cardiologista.

 

Arruda está preso desde o dia 11 de fevereiro na Superintendência da Polícia Federal. Segundo o órgão, no local há todos os equipamentos necessários para os exames. Apenas a análise do material coletado ficará a cargo do laboratório.

 

Com informações da Agência Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.