Arruda se nega a responder perguntas à PF e adia depoimento

Nélio Machado informou que vai requerer ao STJ e ao Ministério Público o adiamento do depoimento

Vannildo Mendes, da Agência Estado

29 de março de 2010 | 15h32

Advogado de Arruda, Nélio Machado, chega na Superintendência da Polícia Federal

 

Por orientação de seu advogado, Nélio Machado, o ex-governador José Roberto Arruda recusou-se nesta segunda-feira, 29, a responder as perguntas no depoimento marcado para o início desta tarde no inquérito que apura o esquema de corrupção batizado de "Mensalão do Dem", do qual é acusado de ser o chefe. Conforme o relato de Nélio Machado, Arruda estava disposto a responder as perguntas mas, seguindo sua orientação, explicou ao delegado que posteriormente responderia todas as perguntas. O delegado teria, inclusive, iniciado o processo de perguntas.

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifMP é favorável à permanência de Arruda na prisão

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifSuspeito, procurador-geral do DF ataca conselho do MP

 

"Não tivemos acesso amplo aos autos, nem tempo necessário para orientar nosso cliente. Por isso fomos duros em recomendar que ele não prestasse depoimento hoje, embora tivesse a intenção", justificou o advogado.

 

Nélio Machado explicou que orientou Arruda a adiar o seu depoimento até que sua defesa tivesse amplo acesso a todos os autos, inclusive perícia de fitas de vídeo, do inquérito da operação caixa de Pandora. "O meu cliente só vai falar quando efetivamente  tiver condições de se defender sem ser prejulgado. Nós não aceitamos condenações antecipadas", disse.

 

Somente no início da noite o delegado Alfredo Junqueira, que conduz o inquérito na Polícia Federal, dará informações sobre os depoimentos tomados hoje, inclusive o do Arruda. A PF já decidiu que não irá divulgar o teor dos depoimentos.

 

Atualizado às 17h14 para corrigir informações no título e no texto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.