Ed Ferreira/AE
Ed Ferreira/AE

Arruda recebe visita da esposa Flávia na sede da Polícia Federal

Governador afastado do Distrito Federal foi preso no dia 11 por uma suposta tentativa de suborno

Agência Estado,

15 Fevereiro 2010 | 14h23

O governador afastado do Distrito Federal, José Roberto Arruda, recebeu nesta manhã apenas a visita da esposa, Flávia, na sede da Polícia Federal em Brasília, onde está preso desde quinta-feira, 11. Ela chegou por volta de 11h30 em um carro dirigido por um cabo da Polícia Militar do DF. Flávia levou o almoço do governador afastado.

 

Veja também:

link PF retira TV da sala onde Arruda está recolhido

link Presidente do DEM no DF tenta visitar Arruda e não consegue

link Governador, sem TV, não vê desfile que ajudou a pagar

 

A rotina do governador na Superintendência da Polícia Federal passou a incluir um banho de sol, de 15 minutos, desde domingo, 14. Um médico também visita Arruda duas vezes ao dia, fazendo uma das checagens de saúde depois do banho de sol que acontece por volta das 17h. Além da mulher, Flávia Arruda, ele recebeu ainda a visita do advogado Thiago Bousa.

 

Duas pessoas tentaram ontem visitar o governador. O atual secretário interino da Educação, Afonso Brito, que foi professor de Arruda no ensino fundamental. Brito não pode se encontrar com o governador porque a visita não havia sido agendada e não estava previamente autorizada, mas deixou um livro de autoajuda para o governador.

 

Outra pessoa apareceu e deixou uma Bíblia para o governador. Na segunda visita, na parte da tarde, o advogado entrou na PF com uma pilha de jornais, com o Estado de S. Paulo no topo da imprensa que foi levada ao governador.

Arruda foi preso por tentativa de suborno a uma testemunha do suposto esquema de corrupção no governo do DF, o jornalista Edson Sombra. O governador afastado está preso em uma sala reservada na PF e outras quatro pessoas envolvidas no esquema de suborno estão detidas no Complexo Penitenciário da Papuda.

 

Atualizado às 20h05

 

Com informações de Tânia Monteiro, do O Estado de S. Paulo

Mais conteúdo sobre:
mensalãoDFArruda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.