Arruda passará o carnaval na prisão, confirma advogado

Ministro do STF Marco Aurélio Mello negou pedido de habeas; pleno do tribunal só se reúne após feriado

Leonardo Goy, Agência Estado

12 Fevereiro 2010 | 18h14

Manifestantes comemoram decisão de manter governador preso. Foto: André Dusek/AE    

 

O advogado do governador afastado do Distrito Federal, José Roberto Arruda, Nélio Machado, reconheceu nesta sexta-feira, 12, que o seu cliente não deverá sair da prisão antes do fim do carnaval. "Não há possibilidade de Arruda sair (da prisão) antes do carnaval", disse Machado, afirmando que vai aguardar o julgamento do habeas corpus solicitado pela defesa ao pleno do Supremo Tribunal Federal (STF).  

 

Veja também:

linkMarco Aurélio mantém prisão de governador José Arruda

linkSuplente de deputado do caso Arruda é considerado foragido

linkPaulo Octávio já é alvo de 4 pedidos de impeachment

blog Blog do Bosco: Arruda se licencia para evitar intervenção

documento Leia a íntegra da decisão do ministro Marco Aurélio Mello

especial Entenda a operação Caixa de Pandora

 

Ainda nesta sexta, o ministro do STF Marco Aurélio Mello negou o pedido de habeas corpus por liminar. O processo, porém, ainda precisa ser apreciado pelo plenário do STF, mas os ministros só devem voltar a se reunir agora após o carnaval.

 

Machado criticou a condução do processo e das investigações contra o seu cliente, argumentando que Arruda não teve direito à defesa. Segundo ele, a sessão de ontem do STJ, que confirmou a prisão preventiva de Arruda, foi "atabalhoada". Ele disse que os advogados não tiveram chance de participar da sessão. "A defesa não está sendo escutada." Segundo Machado, a investigação está sendo conduzida há dois meses e meio e até agora ninguém chamou Arruda para depor.

 

O advogado também criticou a posição da OAB, que defendeu a prisão de Arruda. "A OAB não pode chamar para si a tarefa de julgar" e, segundo ele, neste caso, a OAB tornou-se sócia do órgão de acusação e cúmplice da autoridade policial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.