Arruda não crê em "maldição" de Estevão

Para alguns políticos, o senador José Roberto Arruda(sem partido-DF) está vivendo a maldição de seu inimigo, o ex-senador Luiz Estevão (PMDB-DF).Estevão teve seu mandatocassado em junho do ano passado depois de ser acusado de participar do desvio de R$ 169 milhões da obra do FórumTrabalhista de São Paulo.Durante o processo contra Estevão no Senado, Arruda e o senador Antonio Carlos Magalhães(PFL-BA) empenharam-se para que a pena fosse aprovada pelos parlamentares.Nesta quinta-feira, logo após saber da renúncia de Arruda, Estevão comemorava o acontecimento. "Arruda seguiu os passos do juizNicolau dos Santos Neto (ex-presidente do Tribunal Regional do Trabalho acusado de envolvimento no desvio de recursos daobra do Fórum) que, com medo de ser condenado, fugiu da Justiça"."O ex-senador, com medo de ser condenado, fugiu doSenado", declarou Estevão.Arruda não acredita na tal "maldição". Mas sabe que terá de enfrentar a desconfiança de seusmais de 300 mil eleitores.Arruda, no entanto, já tem um novo ninho partidário. Convidado a filiar-se ao PFL pelo presidente do partido, senador JorgeBornhausen, o ex-tucano redirecionou seus planos políticos.E devolveu com um comentário vingativo a humilhação imposta aele pelo PSDB, do qual se desfiliou depois dos primeiros sinais de que seria abandonado pelo partido. "E há outro partidosério neste País?", indagou ele, ao confirmar que está indo para o PFL.Ao chegar em casa nesta quinta-feira, depois de ter lido sua carta de renúncia, Arruda recebeu o único tucano da cúpula do partido quelhe fez uma visita - o líder do governo no Congresso, deputado Arthur Virgílio Neto (PSDB-AM), amigo pessoal.Mas não faltousolidariedade de vários outros amigos, que lotaram o apartamento de Arruda durante toda a tarde, juntamente com políticosregionais, alguns eleitores, seus filhos e sua mulher, a atriz Mariane Vicentini.Abalado, mas sentindo-se aliviado, Arrudaemocionou-se várias vezes ao ser abraçado pelas pessoas presentes. Antes, ainda a caminho de casa, ele parou em umaigreja de Brasília para rezar. "Fiz uma oração de agradecimento." Em nenhum momento, Arruda atacou adversários. Chegou até mesmo a fazer elogios ao ex-presidente do Senado Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), que tentouresponsabilizá-lo pela atitude de fraudar o painel."No plano pessoal, gosto dele e não acho que a política brasileira se engrandeçaem torno de seu fim."Depois da visita ao ex-tucano, Artur Virgílio afirmou que Arruda poderá dar continuidade à sua carreirapolítica. "Ele pode perfeitamente ser candidato a uma vaga para a Câmara Federal".Mariane reconheceu que não estádescartada a possibilidade de ele candidatar-se ao governo do Distrito Federal no próximo ano. Mas isso vai depender daconjuntura."Ontem, no dia da decisão do Conselho, uma pesquisa indicava que ele tinha 26% das intenções de voto para ogoverno distrital", disse a atriz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.