Arruda inicia "campanha" contra cassação

O senador José Roberto Arruda (sem partido-DF) decidiu enviar ainda esta semana aos senadores um memorial com os principais argumentos de sua defesa numa espécie de "campanha" para impedir a aprovação do pedido de cassação de mandato por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar. Ele voltou ao Senado hoje na tentativa de retomar suas atividades como parlamentar. Desde o início da crise, Arruda estava afastado do dia-a-dia na Casa. Ao contrário do senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), que encomendou uma peça publicitária para divulgar sua defesa na TV, Arruda afirmou que não vai contratar nenhuma agência para fazer sua campanha nos meios de comunicação pelo fato de "não ter recursos". "Cada um faz aquilo que está de acordo com suas posses", disse. No memorial que está sendo produzido por seus advogados, Arruda vai repetir vários pontos de sua defesa, entre eles o de que a participação na fraude do painel não pode ser motivo de cassação de mandato. "Infração no trânsito não pode ser punida com pena de morte", declarou o ex-tucano. "Esse caso não pode ser comparado ao do desvio de recursos públicos do Fórum Trabalhista de São Paulo, que acabou levando à cassação de mandato de Luiz Estevão", afirmou. Ele voltou a afirmar que os senadores não podem aplicar uma pena mais branda a ACM. "Se formos penalizados, a decisão deve ser a mesma, porque somos elos da mesma corrente."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.