Arruda está incomodado por não ter sido ouvido, diz aliado

Deputado Alberto Fraga contou ao governador que a imprensa já estaria noticiando decisão de Marco Aurélio

VANNILDO MENDES, Agencia Estado

12 de fevereiro de 2010 | 13h44

O secretário de Transportes do governo do Distrito Federal, deputado Alberto Fraga (DEM-DF), disse esta tarde que o governador licenciado José Roberto Arruda (ex-DEM) está bastante abatido e incomodado pelo fato de até agora não ter sido ouvido pela Polícia Federal sobre a acusação de que teria tentado coagir testemunhas e obstruir da Justiça. "Não conheço prisão sem o contraditório."

 

Veja também:

link Um dos foragidos no caso Arruda se apresenta a PF; restam dois

linkReunião de Paulo Octávio com deputados distritais é cancelada

link OAB-DF vai pedir novo impeachment de Paulo Octavio

blog  Blog do Bosco: Arruda se licencia para evitar intervenção

especial Entenda a operação Caixa de Pandora

 

"Isso é um absurdo", criticou Fraga ao deixar a Superintendência da PF, onde visitou Arruda. O deputado contou que relatou a Arruda que a imprensa já estaria noticiando que o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), teria negado o pedido de habeas corpus. Arruda, conforme Fraga, teria ficado mais abalado ainda.

 

Sobre Paulo Octávio (DEM-DF), governador em exercício, Fraga disse que já era previsto que ele seria o próximo alvo. Criticou o pedido de intervenção federal no governo do Distrito Federal apresentado ontem pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel. "A quem interessa isso?", questionou.

 

Alberto Fraga criticou a justificativa apresentada pelo procurador para pedir a intervenção. "É uma peça muito fraca". Segundo ele, "não se pode partir da premissa de que o Distrito Federal não tem condições de tocar a sua própria vida. Isso é coisa de oportunista de plantão".

 

Segundo o secretário, uma eventual intervenção abre um precedente perigoso para a autonomia política do Distrito Federal. "Amanhã vão querer extinguir a Assembleia Distrital e a representação política do Distrito Federal. Isso aqui não é Venezuela, não", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.