Arruda é alvo de quatro pedidos de impeachment no DF

Pedidos precisam ser confirmados pela CCJ da Câmara e receber aval de 16 dos 24 deputados distritais

Carol Pires, da Agência Estado,

02 de dezembro de 2009 | 12h57

Dois novos pedidos de impeachment contra o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM), foram protocolados na manhã desta quarta-feira, 2, na Câmara Legislativa do DF, elevando o total a quatro. Arruda é acusado, em inquérito da Operação Caixa de Pandora, de comandar um esquema de recebimento e distribuição de propina.

 

Os pedidos de impeachment precisam ser confirmados pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Legislativa e depois receber o aval de 16 dos 24 deputados distritais para serem confirmados.

 

Veja Também

lista Leia tudo o que foi publicado sobre o mensalão no DF

blog  JOÃO BOSCO acompanhe o caso; veja vídeos, oração da propina e mais 

especial Entenda as acusações contra o governador do Distrito Federal

documento Leia o inquérito da Operação Caixa de Pandora

linkDEM decide dar prazo para Arruda se defender de denúncias

linkCNJ apura ligação entre Arruda e desembargadores

 

Os dois novos pedidos protocolados está manhã são do PSOL e da Ordem dos Ministros Evangélicos do Gama. Na terça-feira, 1º, outros dois foram apresentados pelos advogados Evilásio Viana dos Santos e Anderson Siqueira. O governador José Roberto Arruda ainda pode ser alvo de outras duas propostas de impeachment. Uma patrocinada pelo PT do Distrito Federal e outra pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

 

Na chegada à Câmara Legislativa, esta manhã, a delegação do PSOL protestou contra as denúncias de corrupção no governo do Distrito Federal realizando uma "anti-oração", como definiu o deputado federal Chico Alencar (RJ), em referência ao vídeo anexado ao inquérito da Operação Caixa de Pandora, no qual os deputados Rubens César Brunelli Júnior (PSC) e Leonardo Prudente (DEM) aparecerem rezando após fazer a partilha do dinheiro arrecadado no esquema.

 

"Propina nossa de cada dia"

 

"Financiador nosso que estais na terra, santificado seja o teu negocio, venha a nós o seu dinheiro, seja feita a vossa vontade, tanto no público como no privado. A propina nossa de cada dia nos dai hoje, perdoai os nossos desfalques, assim como nos perdoamos os que mal versaram antes de nós. E não nos deixais cair na tentação da honestidade, mas livrai-nos do flagrante ou da verdade. Que assim não seja", diz a "anti-oração".

 

"O presidente Lula disse ontem (terça-feira) que as imagens não dizem por si, mas eu, como oposição, digo: elas não falam por si, elas gritam por si. Elas são completamente retumbantes. Não há prova mais contundente", criticou Chico Alencar.

 

O terceiro pedido de impeachment, também registrado esta manhã, é assinado pelo Pastor Oséas Rodrigues, presidente da Ordem dos Ministros Evangélicos do Gama. "A nossa preocupação como evangélico é a corrupção do governador, mas também o fato de terem sido mencionados vídeos de parlamentares evangélicos fazendo orações. Nós não compactuamos com isto que está acontecendo, e não falo só dos evangélicos. Nossa crítica sai da esfera religiosa. Todos os parlamentares envolvidos, católicos, espíritas, todos devem ser investigados", disse Rodrigues.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.