Arruda e aliados monitoravam deputados, diz PF

O relatório da Polícia Federal (PF), revelado ontem pelo jornal O Estado de S. Paulo, afirma que o ex-governador José Roberto Arruda "valia-se de peças estrategicamente dispostas no organograma do GDF (Governo do Distrito Federal) para dar efetividade ao esquema". O núcleo duro dessa atuação estaria em torno de cinco nomes: Arruda, José Geraldo Maciel, Omézio Pontes, Domingos Lamoglia e Durval Barbosa, este último, o delator do esquema ao Ministério Público Federal.

AE, Agência Estado

25 de agosto de 2010 | 11h03

A Polícia Federal apreendeu, por exemplo, relatórios feitos por Omézio, uma espécie de assessor de comunicação de Arruda. Num desses relatos, Omézio comenta a atuação que deputados distritais aliados estavam tendo em relação ao governador. Entre eles está Rogério Ulysses, expulso do PSB por suposta ligação com o esquema de corrupção no Distrito Federal.

O assessor de Arruda reclama do político. "Estamos rotineiramente frequentando o seu gabinete, articulando com seu pessoal, na figura de seu chefe de gabinete Cristiomar, eles desenvolveram um jornal, que em momento algum citou a figura política do governador Arruda, não obstante esta negligência, isto já está administrado", diz. Omézio chega a citar uma suposta "contribuição". "Acreditamos que tão logo recebam a contribuição, nos será aberto com mais facilidade, o espaço para acompanhamento da agenda do deputado."

A Operação Caixa de Pandora, como ficou conhecida a revelação do escândalo, foi desencadeada em novembro do ano passado. Na época, foram divulgados vídeos em que Arruda e seus aliados recebiam dinheiro vivo das mãos de Durval Barbosa. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãoDFDEMArrudamonitoramento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.