Arruda diz que não "pediu" lista

O ex-líder do governo no Senado, José Roberto Arruda (PSDB-DF), confirmou o depoimento da ex-diretora do Prodasen, Regina Célia Borges. Mas fez duas ressalvas. Arruda disse ter feito uma ?consulta pessoal? à ex-diretora do Prodasen. Nessa consulta, disse Arruda, ele quis saber de Regina Célia, a pedido do senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), se era possível conhecer os votos de uma votação no Senado. Mas, disse Arruda, nessa consulta ele não pediu nem determinou que ela fizesse isso, nem no seu nome (Arruda) nem no de ACM. Levada por essa conversa, segundo Arruda, e a despeito de não ter recebido instruções específicas a respeito, Regina Célia preparou uma lista com os votos da sessão de cassação do então senador Luís Estevão.Ele disse também que, depois de ter feito a consulta sobre a possibilidade de conhecer os votos, Regina Célia respondeu que não podia fazer isso, mas que iria verificar. Arruda, então, disse a ela que "é que se fala que talvez isso aconteça". De acordo com Arruda, Regina Célia, no entanto, não telefonou de volta ao senador para responder se era possível ou não fazê-lo. Arruda disse, ainda, que Regina Célia e ele não tiveram outros contatos depois dessa consulta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.