Arruda diz que está num "processo de linchamento"

O senador José Roberto Arruda (sem partido-DF) afirmou em seu discurso que está condenado a uma "pena descabida" de cassação e que há o pré-julgamento no processo de apuração da violação do painel eletrônico do Senado. Ele acha que a cassação de seu mandato é "inapelável". "Agora não posso continuar. Estou no processo de linchamento de cartas marcadas, em um jogo pleno de mentiras, hipocrisias, como se viu ontem na sessão do Conselho de Ética", afirmou, anunciando sua renúncia ao cargo de senador.Arruda iniciou seu discurso afirmando que não roubou, não matou e não desviou dinheiro público, mas admitiu ter cometido um grande erro, "talvez o maior da minha vida". O senador disse que não percebeu o tamanho do erro, tentou negá-lo e acabou cometendo outro engano. Ele fez referência ao fato de ter decepcionado seus eleitores.O presidente do Senado, Jader Barbalho, anunciou, com a voz embargada, evidentemente emocionado, que o discurso do senador José Roberto Arruda terá efeito legal, e em "caráter irretratável", após sua publicação no Diário Oficial do Senado. Jader suspendeu a sessão depois de congratular Arruda por seu trabalho político realizado em Brasília e o acompanhou até a saída do plenário. Arruda, após seu discurso, recebeu cumprimentos de senadores presentes e abraçou demoradamente seus filhos, que assistiram ao discurso.O senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA) assistiu em sua residência o discurso de renúncia do senador José Roberto Arruda. Segundo sua assessoria, ACM não comparecerá ao Senado hoje, devendo viajar para Salvador no final do dia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.