Arruda deveria renunciar, dizem tucanos

Para muitas das principais lideranças do PSDB, não há mais dúvidas de que o senador José Roberto Arruda participou efetivamente da operação que violou o sigilo da votação em que foi cassado o mandato de Luís Estevão (PMDB-DF) e que isso prejudica a legenda. Enquanto setores do partido defendem sua expulsão, outras alas do tucanato tentam traçar uma estratégia para reverter, ao menos em parte, a situação. Arruda tem sido orientado a assumir publicamente sua participação no episódio e a desculpar-se pelo erro. Setores do partido, entretanto, vão além: "Ele só tem uma saída: assumir que errou e renunciar ao mandato", disse hoje um interlocutor do presidente Fernando Henrique Cardoso. Para muitos políticos tucanos, Arruda não terá como defender-seapós a depoimento de Regina Borges e ainda conta com um outro fator imponderável: Antônio Carlos Magalhães. "O ACM é o seu segundo problema e vai usá-lo como escudo para safar-se", apostava hoje um dirigente do PSDB. Por este raciocínio, mesmo que seja comprovado o telefonema feito pelo senador baiano à ex-diretora do Prodasen, não há como questionar a sua versão para a conversa. "Ele pode dizer o que quiser, pois ninguém presenciou ou ouviu a conversa", disse um político aliado. Arruda passou esta sexta-feira confinado na casa de um amigo, estudando o depoimento da ex-diretora do Prodasen e preparando sua defesa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.