Arruda deve anunciar saída do DEM, afirmam aliados

Reunião que decidirá futuro do governador do Distrito Federal deve ocorrer na manhã da sexta

Rosa Costa, de O Estado de s.Paulo,

10 de dezembro de 2009 | 14h48

O governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, deve anunciar ainda nesta quinta-feira, 10, o seu desligamento do DEM. A informação é de aliados do governador. O partido se reuniria na manhã sexta-feira, 11, para decidir o destino de Arruda, que está sendo acusado de envolvimento em esquema de corrupção.

 

Veja também:

linkCâmara Legislativa do DF cria CPI para apurar mensalão do DEM

linkContra Arruda, manifestantes enfrentam a polícia no DF

linkExpulsão do DEM será decidida por voto secreto

lista Veja tudo o que foi publicado sobre o mensalão do DEM

 

Na quarta-feira, O governador havia entrado com um pedido no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de suspensão da reunião do DEM, mas a ministra do TSE, Carmem Lucia, negou o recurso.

 

Apesar de Arruda alegar que não teve direito de defesa nesse processo, a ministra Carmem Lúcia disse que o próprio governador afirma que foi notificado a apresentar defesa em oito dias. "Ocorre que é o prazo estatutariamente previsto e contra o qual não há notícia de que se tenha insurgido".

 

Arruda também havia pedido a transferência do caso, que seria analisado na Comissão Executiva Nacional do partido, para o Diretório Regional, em Brasília, cujo presidente é seu vice, Paulo Octávio, também acusado de participar do esquema, conhecido como "Mensalão do DEM".

 

O prazo para a entrega da defesa de Arruda aos líderes do DEM se encerra às 18 horas desta quinta. Segundo informações do partido, a expulsão de Arruda seria inevitável, mas sob a alegação de garantir o direito de ampla defesa ao acusado, líderes do DEM marcaram a reunião para sexta e permitiram que ele preparasse sua defesa.

 

O governador do Distrito Federal é apontado pela Polícia Federal (PF) como um dos articuladores de esquema de arrecadação e distribuição de propina a membros da base aliada de seu governo, ação investigada pela Operação Caixa de Pandora, deflagrada no dia último dia 27.

 

Antecipação

 

Para o senador democrata Antonio Carlos Magalhães Júnior (BA), Arruda "esticou a corda" ao pedir a suspensão da reunião do DEM no TSE, já que isso teria antecipado o resultado da decisão do partido.

 

"Se existisse alguém que estivesse indeciso quanto ao voto agora ficou difícil (para Arruda). A tendência natural é por uma medida mais drástica. A grande maioria vai caminhar agora para a expulsão", disse o democrata baiano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.