Arruda contrata empresa por R$ 300 mi sem licitação

Apesar de estar sob investigação da Operação Megabyte, deflagrada pelo Ministério Público e pela Polícia Federal, por ter efetuado gasto de pelo menos R$ 1,2 bilhão sem licitação, o governo do Distrito Federal repetiu o procedimento com o programa Ciência em Foco. O governo José Roberto Arruda (DEM) contratou por quase R$ 300 milhões a empresa Sangari do Brasil, também sem licitação, para fornecer kits de ciência para 402 escolas do ensino fundamental.O Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) informou ontem que está fazendo uma auditoria no contrato - que tem valor exato de R$ 289,7 milhões, a serem investidos nos próximos cinco anos. O acordo foi assinado entre a Secretaria de Educação e a empresa em março passado.Como em muitos exemplos anteriores, a Secretaria de Educação diz que não havia no mercado um competidor para fornecer o que a Sangari se dispôs a oferecer, que se trata de um ?produto singular? e, por isso, com a ajuda da Procuradoria Jurídica do governo do DF, concluiu que ?não havia como fazer licitação?. Em abril passado, diante do valor do contrato, o Tribunal de Contas chegou a suspender os pagamentos, retomados a partir de 15 de maio. No início deste mês, os kits de ciência começaram a ser distribuídos pelas escolas.De acordo com o secretário de Educação do Distrito Federal, José Luiz Valente, a Sangari foi a única que se apresentou, após a realização de audiência pública, em agosto do ano passado. ?Consultamos a Procuradoria do Distrito Federal, que, então, nos orientou a contratar a empresa?, disse Valente. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.