Arrombamento na Saúde não tem ligação com esquema de fraude

Os arquivos existentes na sala do Ministério da Saúde arrombada na noite de sexta-feira estão intactos. Depois de uma vistoria feita em 220 caixas, auditores constataram que não houve desvio de documento ou projeto contido nos arquivos. Isso afasta a hipótese de que o arrombamento tenha alguma conexão com a Operação Vampiro, que investiga a existência de um sistema de corrupção no ministério para fraudar licitações de medicamentos e heomoderivados.Hoje, integrantes do ministério acreditavam que o episódio, tratava-se, na verdade, de um furto. O arrombamento foi constatado por volta das 20h30 de sexta-feira. A vigilância constatou que a porta da sala, onde ficam arquivados documentos referentes a licitações anteriores a 2000 e projetos do ministério, estava aberta, com a luz acesa. Material dos funcionários, habitualmente instalado sobre as mesas, estava espalhado pelo chão. Em uma das gavetas foi notada a falta de R$ 170,00. Segunda-feira, a Polícia Federal fez uma perícia no local. Terça e quarta, auditores do ministério verificaram se algum documento dos arquivos havia sido extraviado. O ministério informou que, depois do episódio de sexta, a segurança do prédio será reforçada, de forma permanente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.