Arrecadação não pode ser base para elevar mínimo, diz Palocci

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, reafirmou a posição do governo de manter o valor do salário mínimo em R$ 260 e disse que o aumento desse valor não pode estar baseado em um aumento eventual de arrecadação. Segundo ele, ao manter o equilíbrio fiscal, o governo tem desenvolvido também programas sociais que atendem a pessoas que ganham menos do que o salário mínimo. Ele admitiu a possibilidade de o governo discutir se é correto ou não destinar R$ 4 bilhões em programas sociais para essa faixa da população. Palocci negou que exista qualquer relação entre o atraso da divulgação da arrecadação do mês de maio e a votação da MP do salário mínimo no Senado. Ele informou que a divulgação poderá ser feita hoje ou amanhã.Sobre a possibilidade de se estabelecer uma política de longo prazo para o aumento do salário mínimo, Palocci disse que há um diálogo proposto pelos senadores para vincular o reajuste ao Produto Interno Bruto (PIB). Ele lembrou, porém, que o governo já adota a correção com base na inflação. "Tenho certeza que o presidente vai autorizar o diálogo para a construção desse modelo, mas esta não é uma iniciativa para trocar votos no Senado", afirmou. Segundo o ministro, o Ministério da Fazenda ainda não tem uma posição definida sobre o assunto e acha que os senadores não esperam uma definição imediata do governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.