Arns, ex-tucano e hoje no PT, planeja mudar novamente

O senador Flávio Arns (PT-PR) aguarda decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para decidir seu futuro político. Eleito em 2003 pelo PT, após 12 anos filiado ao PSDB, Arns garante que quer mudar de partido por motivos ideológicos e não por disputas regionais. "É mais por uma questão de princípios, de diálogo com os movimentos sociais", explicou. "Mas não saio do PT se for para perder o mandato", afirmou. "Estou resolvido a tomar um novo rumo, um novo sentido. Mas vou aguardar a decisão da Justiça." Arns contou que recebeu convite para ingressar tanto na oposição como na base. Segundo interlocutores, seu destino deve ser o PSC. Ao contrário de Arns, quatro senadores mudaram recentemente de legenda sem se preocupar com a decisão judicial. Nesta semana, Edison Lobão (MA) e Romeu Tuma (SP) trocaram o DEM pelos governistas PMDB e PTB, respectivamente. Há uma semana, César Borges (BA) deixou o DEM, ao qual era filiado desde 1986, e foi para o PR, que presidirá na Bahia. Eleita pelo PSDB, em 2003, Patrícia Gomes saiu há uma semana do PSB para o PDT para disputar a Prefeitura de Fortaleza. O troca-troca no Senado costuma ser menor que na Câmara. Este ano, além dos quatro que mudaram recentemente, só o ex-presidente Fernando Collor de Mello havia deixado, em fevereiro, o PRTB para ingressar no PTB.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.