Arns deixa PT e d. Paulo vê ''corrupção inacreditável''

O arcebispo emérito de São Paulo, d. Paulo Evaristo Arns, referiu-se à "corrupção inacreditável do Senado" no telegrama que enviou ao senador Flávio Arns (PT-PR), seu sobrinho, cumprimentando-o pela "atitude coerente" de se desligar do PT depois que o partido seguiu as ordens do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de arquivar as denúncias contra José Sarney (PMDB-AP). O senador Pedro Simon (PMDB-RS) leu o texto em plenário logo que Arns comunicou sua desfiliação do PT. Em cinco linhas, d. Paulo cumprimenta o sobrinho pela atitude, pede a ele que transmita "votos de apoio benemérito à senadora Marina Silva" - que também deixou o PT -, a Pedro Simon e "aos demais colegas que defendem a ética e decoro dos chamados pais da Pátria". Arcebispo de São Paulo durante 28 anos, de 1970 a 1998, d. Paulo Evaristo Arns é considerado por Simon "a pessoa mais importante na criação do PT", por ter permitido, como criador das comunidades de base, que prosperassem "as ideias de dignidade, correção e capacidade de lutar defendidas inicialmente pelo partido". CRÍTICASEm seu comunicado de desfiliação, Flávio Arns afirmou no plenário que mais grave do que o partido ter arquivado as denúncias contra Sarney, foi a iniciativa de seu presidente, deputado Ricardo Berzoini (SP), de orientar o voto dos senadores petistas no Conselho de Ética. "Como se tivesse autoridade, em primeiro lugar, para orientar, orientando senadores a votarem pelo arquivamento do processo." Arns disse que a atitude de Berzoini criou mal-estar não só entre a bancada do partido na Casa, mas principalmente na militância. O senador também criticou o ministro de Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, que chegou a dizer que a decisão de afastar Sarney da presidência era "de um ou dois senadores petistas" e não da quase totalidade da bancada. Mas poupou o líder Aloizio Mercadante (SP), que recuou de sua decisão "irrevogável" de renunciar a liderança em protesto pelo apoio do Planalto a Sarney.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.