Arcebispo de SP diz que confronto armado é retrocesso

O arcebispo de São Paulo, cardeal dom Cláudio Hummes, disse hoje que é necessário identificar e deter grupos e nações que apoiam a ação do terrorismo internacional. "O poder deles vem de quem lhes dão apoio econômico, logístico e de armamentos. Sem esse apoio, a rede internacional de terrorismo não existiria", disse dom Cláudio. O arcebispo participou do ato ecumênico "São Paulo Pede Paz", que reuniu representantes de mais de 30 entidades religiosas, além dos governos municipal e estadual e de artistas. O evento foi realizado na Praça da Paz do Parque do Ibirapuera. Dom Cláudio defendeu o caminho diplomático e disse que a opção por um confronto armado é um retrocesso."Espero que o governo brasileiro também colabore exatamente para que não haja guerra, mas que haja atividade diplomática persistente, paciente, até o fim", disse dom Cláudio, sobre a posição do Brasil num eventual conflito armado. "Não defendo a impunidade dos culpados mas, ao buscá-los, não devem ser punidas outras pessoas e nações", afirmou.Dom Cláudio lembrou que a presença do papa João Paulo II no Casaquistão deve adiar um possível ataque armado. "A visita já estava agendada mas ele poderia ter desistido. Persistiu, exatamente, para dar um testemunho de paz, para dar mais tempo ao trabalho diplomático e à reflexão das lideranças mundiais."O religioso ressaltou a importância da realização de atos pela paz, que acabam por formar uma opinião pública contrária à medidas de retaliação. Dom Cláudio criticou a posição do governo norte-americano, que tem dito que as nações que não estão com os EUA, estão contra eles. "Acho que isso foi dito num momento de emoção. Ninguém tem o direito de dividir o mundo assim."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.