Arce vai a Brasília discutir crise energética

O secretário de Energia de São Paulo, Mauro Arce, participa na próxima segunda-feira da primeira reunião da Câmara de Gestão da Crise de Energia, criada na última quinta-feira para discutir a crise energética. Arce se reunirá em Brasília com os ministros Pedro Parente (Casa Civil) José Jorge (Minas e Energia) e o presidente da República Fernando Henrique Cardoso, que dará os detalhes de funcionamento do comitê. Arce não quis antecipar nenhuma das possíveis medidas a serem tomadas pelo comitê. Disse apenas que levará para o encontro varias sugestões sobre formas de economizar energia, recebidas pela indústria, comércio e consumidores residenciais."O problema agora é o nível das águas nos reservatórios. O racionamento é inexorável. O esquema de rodízio pode ser mais ou menos flexível desde que se gaste a quantidade de água que se tem no reservatório" disse Arce. O comitê deve estabelecer até o final de maio o programa de racionamento, que será adotado a partir de 1º de junho próximo. "Pessoalmente, acho que seria melhor iniciarmos com um período de 15 dias de redução espontânea de consumo e depois conferir o resultado. A partir daí, iniciar um esquema de rodízio" afirmou Arce.Segundo ele, mais importante do que definir exatamente qual o percentual de redução, extra-oficialmente fixado em 20%, como e de que modo será o corte para os consumidores (se igual ou diferenciado, para indústria, comércio e residências) é a posição do presidente Fernando Henrique, que chamou para si a responsabilidade da crise, ao criar um gabinete para tratar especificamente do assunto.Em relação ao esquema de racionamento, Arce acredita que o único ponto definido até o momento é o que prevê a porcentagem de redução de consumo: cerca de 20% do sistema devem ficar sem operar de forma contínua, até o final do ano. Durante todo o tempo de duração do racionamento, segundo Arce, haverá a economia de 20% de energia. "Nunca vai haver interrupção, quando o esquema de rodízio terminar num bairro ou numa região, vai estar começando em outro, durante 24 horas por dia" afirmou.No encontro que terá com o ministro Pedro Parente, Arce vai destacar a importância de se antecipar algumas medidas. Segundo o secretário paulista, a população está passando por momentos de angústia por causa da falta de informação. Arce disse ainda que gostaria de levar alguns detalhes sobre o plano de racionamento para a próxima reunião do Conselho Nacional de Política Energética, marcada para o próximo dia 23.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.