Aprovação a Lula cai de 81,5% para 76,8%, indica CNT/Sensus

Gripe suína, crise no Senado e caso Lina Vieira contribuíram para variação, informou instituto de pesquisas

Fábio Graner, da Agência Estado

08 de setembro de 2009 | 11h43

 

A avaliação positiva do governo Lula caiu 4,4 pontos percentuais, passando de 69,8% em maio para 65,4% em setembro, de acordo com pesquisa CNT/Sensus divulgada nesta terça-feira, 8. Em contrapartida, a avaliação negativa da administração do presidente aumentou 1,4 ponto percentual, de 5,8% para 7,2%.

 

Veja também:

link Dilma cai e Serra oscila negativamente em nova pesquisa

link Lula fica em 1º na pesquisa espontânea CNT/Sensus

link Pesquisa indica primeira queda de Dilma Rousseff

link Entre presidenciáveis, Aécio tem menor rejeição, diz Sensus

linkMaioria dos brasileiros é contra nova CPMF, aponta CNT/Sensus

linkBrasileiro está mais otimista, aponta CNT/Sensus

 

A avaliação regular subiu de 23,9% para 26,6%. Segundo o diretor do Sensus, Ricardo Guedes, a queda na opinião favorável ao governo ocorre principalmente entre pessoas das regiões Sul e Sudeste, entre mulheres, pessoas jovens e de "maior idade".

 

Já a aprovação a Lula recuou de 81,5% em maio para 76,8% em setembro e a desaprovação subiu três pontos percentuais, de 15,7% para 18,7%. Embora o nível de desaprovação do presidente tenha aumentado, sua avaliação positiva ainda se encontra em um patamar significativamente alto, conforme analisou Guedes.

 

Guedes associou a queda nas avaliações positivas do governo e do presidente Lula a três fatores: gripe suína, o episódio envolvendo a ex-secretária da Receita Federal Lina Vieira com a ministra Dilma Rousseff e a crise no Senado, envolvendo o presidente da casa, senador José Sarney, embora este último tema não esteja contemplado na pesquisa. Segundo o diretor, há uma postura do presidente Lula de chamar crises institucionais para si, que prejudica sua popularidade. "Há uma postura menos política de Lula", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
pesquisaCNTSensusLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.