Apreendidos computadores de laboratório que produzia Celobar

Os computadores do laboratório Enila, que produzia o contraste Celobar, suspeito de ter provocado a morte de pelo menos 22 pessoas, foram apreendidos e levados hoje para o Instituto de Criminalística Carlos Éboli, da Polícia Civil, por determinação da Justiça Estadual. Os discos rígidos serão checados por peritos.A decisão é da juíza Patrícia Cogliatti de Carvalho, da 38ª Vara Criminal, que já determinara a busca e apreensão dos passaportes do diretor-presidente do Enila, Márcio D?Icarahy, e de três funcionários das áreas química e de controle de qualidade da empresa: a farmacêutica Márcia Almeida Fernandes, o químico Antônio Carlos Fonseca e o gerente de produção Wagner Teixeira. Os quatro estão proibidos de sair do País. A juíza informou que D?Icarahy é diretor de outras empresas no Uruguai e, por isso, existe a possibilidade de fuga. Segundo ela, a decisão vai assegurar a investigação criminal. Ofícios foram enviados para a Polícia Federal e para todos os aeroportos do País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.