Apreendidas quatro toneladas de fósseis no Rio

A Polícia Federal apreendeu na tarde de hoje quatro toneladas de fósseis que seriam contrabandeados para a Alemanha. Exemplares fossilizados de plantas e peixes com 65 milhões de anos foram retirados da Chapada do Araripe, no Ceará, transportados de caminhão para o Rio de Janeiro, e de lá seguiriam para o exterior, em navio. A Polícia Federal acredita ter descoberto importante rota do tráfico de fósseis.Os peixes e plantas fossilizados estavam acondicionados em 42 caixas num galpão da rua da Gamboa, no Centro. O dono do depósito, o cearense Joaquim de Sampaio Martins, foi preso por dano contra o patrimônio da União. Martins contou ao titular da Delegacia de Prevenção e Repressão aos Crimes Fanzendários, Antônio Carlos Rayol, que comprou os fósseis por US$ 6 mil. Ele os revenderia por cerca de US$ 150 mil. Na Europa, essas peças são compradas por colecionadores e pesquisadores.Segundo investigações da Polícia Federal, o tráfico de fósseis no Brasil movimenta US$ 7 milhões por ano. Martins e a quadrilha da qual faz parte estão sendo investigados desde o Ceará pela Polícia Federal. A apreensão dos fósseis levou a PF a anunciar uma megaoperação nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco e Ceará para reprimir o tráfico de material de pesquisa.Os fósseis apreendidos serão examinados por pesquisadores do Museu Histórico Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Segundo os estudiosos, os peixes são do período Cretáceo e têm cerca de 65 milhões de anos. Eles esperam que as peças passem a integrar o acervo do museu.A Chapada do Araripe, de onde os pedaços de rochas foram retirados, é um dos mais importantes sítios paleontológicos do País. Pesquisadores já encontraram fósseis com 100 milhões de anos naquele local. Entre fevereiro e março, uma expedição do Museu Nacional percorreu 10 mil quilômetros durante 35 dias. Os pesquisadores estiveram nas regiões de Sousa, na Paraíba; Chapada do Araripe, no Ceará; e Ilha do Cajual, no Maranhão para coletar amostras de solo e procurar fósseis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.