Aposentados continuarão recebendo, apesar de apagões

O pagamento das aposentadorias e pensões dos 19 milhões de segurados da Previdência Social não sofrerá atraso com as medidas que o governo tiver que adotar para diminuir o consumo de energia elétrica. A empresa de processamento de dados da Previdência Social (Dataprev), responsável pela folha de pagamentos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) tem gerador próprio e já garantiu que o serviço será feito a tempo de cumprir o cronograma de pagamento estipulado.Nas unidades internas, como todo órgão do governo, o Ministério da Previdência Social está tratando de adotar medidas para diminuir o consumo. A iluminação deverá cair pela metade assim como será racionalizado o uso do ar condicionado. A meta é reduzir o consumo em 25%. Medida idêntica está sendo adotado pelo Ministério do Trabalho, que divide o mesmo prédio em Brasília com a Previdência Social.O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) ainda não sabe se haverá ou não mudanças no horário de atendimento ao público que é feito nos postos e agências de benefícios espalhados por todo o País. Eles seguirão a determinação da Câmara de Gestão da Crise de Energia. A intenção do ministério é divulgar amplamente qualquer modificação para evitar que a clientela seja pega de surpresa.Para o Ministério da Previdência Social uma maior racionalidade no uso da energia elétrica não significará queda no nível de atendimento. "Todo o esforço do governo vai ser no sentido de atravessar o período crítico com o menor dano possível", disse um técnico envolvido com a questão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.