Após virar réu, DEM faz 'desagravo' a Agripino em jantar do partido

Senador acusado de receber propina da OAS por obra da Copa é ovacionado em churrascaria por integrantes do partido

Isadora Peron e Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

14 de dezembro de 2017 | 09h06

BRASÍLIA - Um dia depois de virar réu no Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o presidente do DEM, senador Agripino Maia (RN), foi ovacionado na confraternização de fim de ano do partido.

A festa, realizada em uma churrascaria no Lago Sul, região valorizada de Brasília, reuniu os principais nomes do partido, como o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), o ministro da Educação, Mendonça Filho, e o prefeito de Salvador, ACM Neto.

O discurso do evento foi feito pelo líder do DEM na Câmara, deputado Efraim Filho (PB). Foi nesse momento, quando Efraim citou o nome do presidente da legenda, que Agripino foi fortemente aplaudido pelos presentes.

Integrantes da sigla afirmaram que o gesto é um desagravo ao político, que comanda a sigla desde 2011. Até mesmo nomes da legenda, como o deputado Marcos Rogério (DEM-RO), que costumam levantar a bandeira do combate à corrupção, defenderam Agripino.

O DEM desistiu de realizar a convenção nacional marcada para esta quinta-feira, 14, para que a decisão da Primeira Turma do STF não contaminasse o clima de ascensão que vive o partido.

A sigla também começou a articular a substituição do comando partidário, que até então permaneceria com Agripino. Por enquanto, os nomes mais cotados para assumir a presidência do partido em 2018 são Maia, Mendonça ou ACM Neto.

Durante a confraternização, um telão exibia fotos dos novos integrantes que se filiaram ou pretendem se filiar ao DEM, a maioria oriunda do PSB, como a ex-líder da legenda Tereza Cristina (MS) e o deputado Danilo Forte (CE). Pelas contas de dirigentes do partido, a bancada do DEM na Câmara deve chegar a quase 40 deputados em 2018– hoje está com 31.

Integrantes da cúpula também fizeram questão de dizer que o relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Maia (PPS-BA), estava estudando se filiar à sigla. Presente no evento, o deputado não negou as negociações.

+++ DEM discute substituir Agripino da presidência do partido

RÉU 

Por 4 votos a 1, a Primeira Turma do STF aceitou, na terça-feira, 12, a denúncia oferecida pela Procuradoria-Geral da República que acusa Agripino de receber propina da construtora OAS para destravar o financiamento da Arena das Dunas, estádio usado na Copa do Mundo de 2014.

Em nota, o presidente do DEM afirmou que é inocente e que espera que o julgamento aconteça o mais rápido possível. "O prosseguimento das investigações não significa julgamento condenatório. E é justamente a inabalável certeza da minha inocência que me obriga a pedir à corte o máximo de urgência no julgamento final da causa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.