Após três dias, MST libera rodovias bloqueadas em MS

Depois de três dias consecutivos bloqueando quatro das mais movimentadas rodovias de Mato Grosso do Sul, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), resolveu paralisar as manifestações. A decisão, segundo explicou a direção do órgão, é uma pausa até terça-feira próxima, quando entregarão documento contra a morosidade da reforma agrária no Estado, ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Lula estará em Três Lagoas, região leste do MS, na divisa com São Paulo, para inaugurar uma estrada federal e lançar a pedra fundamental da construção de duas indústrias de celulose e papel. Segundo a programação oficial, permanecerá no município durante 40 minutos. Haverá tempo para entrega da reivindicação segundo acreditam os líderes dos sem-terra. Durante a manhã desta sexta-feira, proprietários de cargas perecíveis paradas nos bloqueios, temiam prejuízos. Um deles, Márcio Sabadini, proprietário do Frigorífico Sabadini, de Santa Catarina, disse que estava com carregamento de carne bovina avaliada em R$ 3 milhões, no bloqueio da MS-487, extremo sul do MS. Além da MS-487, foram bloqueadas a BR-163 em Eldorado que dá acesso para o Paraná, a MS-162 saída para São Paulo e BR-262 em Campo Grande. Juízes federal e estadual já haviam decidido pela desocupação das rodovias com força policial. O MST distribuiu mais de três mil trabalhadores rurais nesses pontos de interdições. Os manifestantes querem assentamentos agrícolas para 30 mil pessoas cadastradas pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) que estão vivendo acampadas em barracas de lona plástica, aguardando a chamada do órgão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.