Após trégua, Cultura volta a entrar em greve

Descontentes com a proposta do Ministério do Planejamento, os 2.100 servidores da Cultura retomaram a greve nacional ontem, após trégua de três semanas. "A categoria foi unânime em rejeitar o que o governo ofereceu. Os salários de metade da categoria ficariam congelados", protestou Zulmira Pope, da Associação de Servidores do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e do comando de greve. Outra reclamação é que a paridade entre ativos e inativos seria extinta. Ontem à noite, em Brasília, líderes do comando de greve teriam nova reunião na Secretaria de Recursos Humanos do ministério.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.