Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Após ter presidente afastado, Ibama terá coronel da PM de SP no comando

Luís Carlos Hiromi Nagao, que era diretor da autarquia, assume a presidência interinamente

André Borges, O Estado de S. Paulo

20 de maio de 2021 | 13h07

BRASÍLIA - O afastamento do presidente do Ibama, Eduardo Fortunato Bim, determinado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes, fez com que o comando do principal órgão ambiental do País passasse, interinamente, para as mãos de um tenente-coronel da Polícia Militar de São Paulo.

Luis Carlos Hiromi Nagao, que foi nomeado diretor de Planejamento, Administração e Logística do Ibama em agosto de 2019, assumiu a presidência da autarquia nesta quinta-feira, 20. Sua entrada no Ibama faz parte do processo de militarização dos órgãos ambientais encampado pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Desde o início da gestão de Salles, diretorias e coordenações do Ibama, Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) e do próprio MMA passaram a ser ocupados por servidores da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros.

Hiromi, que assume interinamente a chefia do Ibama, é quem, de fato, já vinha dando as cartas em grande parte das decisões do órgão envolvendo contratos, mudanças de regimentos, entre outros temas. Nomeações de coordenadores, por exemplo, passaram por ele, sem que o próprio Eduardo Bim, em algumas situações, soubesse de quem se tratava.

A lista de afastados no Ibama inclui ainda o diretor de Proteção Ambiental, Olímpio Ferreira Magalhães, que foi substituído por Ricardo José Borrelli. O superintendente de Apuração de Infrações Ambientais, Wagner Tadeu Matiota, foi afastado e substituído por Rodrigo Sabença. No lugar de João Pessoa Riograndense Moreira Junior, diretor de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas (DBFlo/Ibama), entrou Gustavo Bediaga.

Dentro do Ibama, os afastamentos envolvem ainda os nomes de Rafael Freire De Macedo, coordenador-geral de Monitoramento do Uso da Biodiversidade e Comércio Exterior, Leslie Nelson Jardim Tavares, coordenador de Operações de Fiscalização, André Heleno Azevedo Silveira , coordenador de Inteligência de Fiscalização e Artur Vallinoto Bastos, analista ambiental.

A operação da Polícia Federal, batizada de Akuanduba, foi autorizada pelo ministro do STF Alexandre de Moraes, nesta quarta-feira, 19. O magistrado determinou a quebra dos sigilos bancários e fiscais do ministro, assim como dos outros 22 alvos da investigação.

Na decisão, Moraes destacou que um relatório de inteligência financeira indicou “movimentação extremamente atípica” de dinheiro, um total de R$ 14,1 milhões, envolvendo um escritório do qual Salles é sócio, em São Paulo, em transações realizadas entre 2012 e junho do ano passado.

Salles negou irregularidades e disse que o ministro foi “induzido ao erro” ao autorizar a operação. O presidente do Ibama, Eduardo Bim, não se manifestou sobre o assunto.

As investigações da PF apontam para existência de um “modus operandi” que passou a vigorar em exportações ilícitas de madeira, a partir de mudanças na legislação realizadas para facilitar a saída de material do Brasil, a pedido de madeireiros. No centro das acusações está um despacho assinado pelo presidente do Ibama, em fevereiro do ano passado, conforme revelado à época pelo Estadão.

Entre o fim de 2019 e início de 2020, o órgão ambiental havia recebido uma série de demandas de madeireiros para facilitar a exportação, mexendo nas regras de fiscalização. Na ocasião, empresas enfrentavam bloqueio de cargas, principalmente nos Estados Unidos, e procuraram a cúpula do Meio Ambiente para tentar resolver a situação.

Ao detalhar a participação do ministro no esquema sob suspeita, a PF chegou a reproduzir falas de Salles durante reunião ministerial do dia 22 de abril de 2020 no Palácio do Planalto. Na ocasião, o ministro do Meio Ambiente disse que era preciso aproveitar a “oportunidade” da pandemia do coronavírus para “ir passando a boiada e mudando todo o regramento e simplificando normas”.

O vídeo do encontro foi divulgado no ano passado, por ordem do então ministro do STF Celso de Mello, no âmbito do inquérito que investiga se Bolsonaro interferiu na PF.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.