Após 'susto' da base aliada, Lula reúne conselho político na 3ª

Na semana passada, senadores do PMDB ajudaram a derrubar a MP que criava secretaria de Longo Prazo

01 de outubro de 2007 | 15h28

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reúne nesta terça-feira,2, às 11 horas, o Conselho Político do governo, formado pelos presidentes dos partidos que o apóiam, para discutir as próximas votações no Senado e na Câmara. A reunião acontece cinco dias depois de o PMDB ter derrotado o governo no Senado, ao rejeitar a medida provisória que criava a Secretaria de Planejamento de Longo Prazo e mais de 600 cargos na administração pública.   Veja Também:     Especial sobre a CPMF     Para ministro, rejeição à MP da secretaria foi 'decisão política'      Derrubamos secretaria por 'insatisfação', admite Renan   Lula nega 'barganha' e diz que derrota faz parte do 'jogo'   Após rebelião, Lula promete 'atenção' a 'franciscanos' do PMDB       Entre representantes do PMDB, a expectativa é de que o governo prometa, a partir de agora, consultar o Legislativo antes de editar medidas provisórias - uma iniciativa destinada a fortalecer o papel do Parlamento.   No encontro, o presidente deverá também explicar qual instrumento utilizará para recriar a Secretaria de Longo Prazo. De acordo com o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), Lula não abrirá mão de uma estrutura de dimensão ministerial para pensar o Brasil do futuro.   De acordo com entendimento entre o ministro de Relações Institucionais, Walfrido dos Mares Guia, e o líder do PMDB no Senado,Valdir Raupp (RO), também nesta semana o presidente Lula deverá se reunir com os 19 senadores da bancada peemedebista. Nesse encontro, buscará o entendimento com o grupo definido pelo senador Wellington Salgado (PMDB-MG) como "franciscanos cansados da desatenção do governo" e ávidos por "um chinelinho novo".     Ao justificar a insatisfação do partido, Salgado diz que apenas os cardeais do PMDB são ouvidos pelo Palácio do Planalto, enquanto, aos "franciscanos", não se dispensa nenhuma atenção. Na última sexta-feira (28), o líder do governo, Romero Jucá, disse que Lula vem trabalhando para aproximar os partidos da coalizão governamental e assegurou que não há, da parte do governo, nenhuma possibilidade de não atender o PMDB.     CPMF   Essa reunião do Conselho Político acontece também a 15 dias do prazo previsto pelo presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia, para enviar ao Senado a proposta de emenda à Constituição (PEC) que prorroga até 2011 a cobrança da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).   O objetivo do governo é conter a rebelião do PMDB antes que essa emenda seja submetida ao Plenário do Senado.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.