Após sete meses licenciado, Pezão reassume cargo de governador do Rio

Vítima de linfoma, peemedebista, de 61 anos, se afastou do Executivo em 28 de março e, desde então, se submeteu a seis ciclos de quimioterapia; Francisco Dornelles (PP) assumiu seu lugar durante o período

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

31 Outubro 2016 | 19h29

RIO - O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB),  de 61 anos, reassume o cargo nesta terça-feira, 1, após sete meses e três dias licenciado para tratar um câncer no sistema linfático. Nesse período a administração do Estado coube ao vice Francisco Dornelles (PP), de 81 anos. Pezão se afastou do governo fluminense em 28 de março e, desde então, se submeteu a seis ciclos de quimioterapia. Como ainda está em tratamento para se recuperar dos efeitos colaterais da quimioterapia, ele terá carga de trabalho reduzida.

“Estou bem. Os efeitos da quimioterapia são muito violentos e demoram a sair do organismo. Tenho que continuar o tratamento, fazer fisioterapia, recuperar minha forma física. Tenho que me cuidar muito ainda, até porque, se eu não cuidar de mim, não consigo cuidar do Estado. Tenho certeza de que vou ter forças”, afirmou o governador, em nota divulgada na tarde de domingo, 30, pela assessoria de imprensa.

Pezão foi diagnosticado em março com um linfoma não-Hodgkin anaplásico de células T-Alk positivo. Licenciou-se então do governo e foi submetido a tratamento quimioterápico. Em julho, exames de imagem mostraram resolução completa do quadro do linfoma. Com a melhora, os dois últimos ciclos de quimioterapia, previstos no tratamento inicial, foram descartados. Mesmo licenciado, Pezão participa de reuniões do governo do Estado pelo menos desde setembro. O Rio enfrenta uma crise fiscal que afeta setores essenciais do Estado, como saúde e segurança pública.

A equipe médica que acompanha o governador classifica como precoce a resolução da doença. Segundo eles, Pezão se encontra em remissão e não tem sintomas nem evidência do câncer, mas deve permanecer em tratamento para recuperação clínica total.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.