ANDRE BORGES / ESTADÃO
ANDRE BORGES / ESTADÃO

Após ser solto, Rocha Loures chega à sua residência em Brasília

Ex-deputado federal terá de ficar em recolhimento domiciliar noturno e entregar seu passaporte em 48 horas, não podendo deixar o País

André Borges, Rafael Moraes Moura e André Dusek, O Estado de S.Paulo

01 de julho de 2017 | 16h38

BRASÍLIA - O ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) chegou por volta das 16h deste sábado, 1, em sua residência no Lago Sul, área nobre de Brasília, em um carro da Polícia Federal.

Depois de deixar a superintendência da PF, em Brasília, pela manhã, ele foi levado para Goiânia (GO), onde colocou uma tornozeleira eletrônica. O equipamento, que não estava disponível na capital federal, visa a garantir o cumprimento da decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que mandou soltar o peemedebista na sexta-feira.

Rocha Loures mora em um pequeno condomínio de luxo, com quatro casas. Ele terá de ficar em recolhimento domiciliar noturno (das 20 às 6 horas) e também aos sábados, domingos e feriados, podendo sair durante os dias úteis. Os policiais deixaram o local logo após Rocha Loures entrar em sua casa. O peemedebista não falou com a imprensa.

Ex-assessor do presidente Michel Temer, Rocha Loures foi filmado após receber de um executivo do Grupo J&F - controlador da JBS -, dos irmãos Joesley e Wesley Batista, uma mala com R$ 500 mil. Segundo Joesley, Loures foi indicado por Temer para intermediar interesses do grupo.

O peemedebista também terá de entregar seu passaporte em 48 horas, não podendo deixar o País. Ele está proibido de manter contato com investigados, réus ou testemunhas do caso JBS.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.