Após ser repreendido por Lula, Minc baixa críticas

Depois de criticar a ?algazarra? na Esplanada, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva enquadrou o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, que estava, até ontem, em duas frentes de batalha: contra o ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, por causa da pressão pelo licenciamento das obras da BR-319, que liga Manaus a Porto Velho; e contra os ruralistas, aos quais se referiu como ?vigaristas? na semana passada.

AE, Agencia Estado

04 de junho de 2009 | 07h31

Em plena cerimônia de balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que possui várias obras criticadas por ambientalistas, Minc disse ontem que, embora seja contrário à concessão da licença para a rodovia, quem manda no governo não é ele, ?é o presidente Lula, e o presidente quer a licença?. Mas Minc voltou a insistir que, para dar a licença, exige o cumprimento de uma lista de condições, como a construção de postos de vigilância e unidades de conservação.

Diante da posição do colega, o ministro Nascimento até marcou data para a licença: dia 15 deste mês. Minc afirmou que não se importa com datas, mas com as exigências ambientais, e que, se estas forem cumpridas, não tem nenhum problema em conceder a licença daqui a 11 dias.

Na semana passada, Minc se queixou ao presidente Lula dos ministros Alfredo Nascimento, Reinhold Stephanes (Agricultura) e Mangabeira Unger (Assuntos Estratégicos). Minc disse que eles combinavam uma coisa no governo e depois pegavam a ?machadinha? e iam ao Congresso atacar a legislação ambiental. Ao falar com o Estado, o ministro se referiu ao governo como ?casa da mãe Joana?, tantas as divergências. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
governoCarlos MincLulaministros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.