Sérgio Castro|Estadão
Sérgio Castro|Estadão

Após reunião de lideranças, PSDB reitera apoio a impeachment de Dilma

Tucanos, no entanto, não se manifestaram a favor de um eventual governo de Michel Temer

Elizabeth Lopes e Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2016 | 17h42

A três dias da votação do relatório do deputado Jovair Arantes (PTB-GO) que determinou a admissbilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), lideranças do PSDB, reunidas nesta sexta-feira, 8, em São Paulo, reiteraram o apoio integral ao afastamento da petista. "Por mais penoso que seja interromper um mandato, é mais penoso ver o Brasil se esfacelar e ver que não existe capacidade do atual governo se recompor e se reconstruir", disse o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Para FHC e líderes da sigla é momento de dar um basta ao atual governo petista e iniciar um novo ciclo no País.

Apesar da defesa de um novo ciclo que leve em conta o PT fora do Palácio do Planalto, os líderes do PSDB não se manifestaram a favor de um eventual governo Michel Temer (PMDB). O secretário-geral do PSDB, deputado Silvio Torres (SP), resumiu o mote do encontro de hoje: "o nosso foco é o impeachment, o Temer é uma segunda etapa, não há para nós outro foco hoje que não seja o afastamento da presidente Dilma." E lembrou que a sigla defende a continuidade plena da Operação Lava Jato.

O encontro de hoje do PSDB reuniu, por mais de duas horas, na ala residencial do Palácio dos Bandeirantes, o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), o ex-presidente FHC, parlamentares, como os senadores José Serra e Aloysio Nunes Ferreira, o deputado Silvio Torres, governadores da sigla, como Geraldo Alckmin (São Paulo), Beto Richa (Paraná), e Pedro Taques (Mato Grosso), além do líder do partido na Câmara, Antônio Imbassahy. Também participaram lideranças de outras siglas, como José Carlos Aleluia (DEM) e o presidente do Solidariedade, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, que chegou no final da reunião com algumas lideranças sindicais.

Após o encontro, FHC, Aécio e Alckmin fizeram um rápido pronunciamento em favor do impeachment e não responderam perguntas da imprensa. Aécio disse que o PSDB reafirma seu compromisso absoluto com a interrupção do mandato de Dilma Rousseff, pela via constitucional, o impeachment. E que os governadores e lideranças da sigla vão trabalhar nos seus Estados junto aos parlamentares e outros líderes que ainda estão indecisos nessa questão.

O governador Geraldo Alckmin, anfitrião do encontro no Palácio dos Bandeirantes, falou do momento grave que o País enfrenta, com reflexos no emprego e na vida das pessoas. "Assistimos a economia derreter e vemos um quadro político de extrema gravidade que precisa ser abreviado", destacou. FHC disse também que a economia "não aguenta mais tanta desordem", e que é preciso recuperar a confiança.

O ex-presidente disse ter certeza de que o povo brasileiro vai se manifestar pelo impeachment nas ruas, "democrática e pacificamente". Já Aécio disse que o partido está otimista com a votação na próxima segunda-feira e também no plenário da Câmara. "O PSDB não é beneficiário, enquanto partido, dessa solução, mas todos convergimos pela urgência e necessidade de solução deste impasse."

Após o encontro, Aécio seguiu com Paulinho para o ato promovido pela Força Sindical em favor do impeachment da presidente da República nesta tarde na capital paulista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.