Marcelo Camargo / Agência Brasil
Marcelo Camargo / Agência Brasil

Após repúdio de Israel, Weintraub volta a citar nazismo: 'Tenho direito de falar do Holocausto'

Ministro da Educação foi alvo de críticas de instituições judaicas por comparar operação da PF no inquérito das fake news com Noite dos Cristais

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2020 | 08h38

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, voltou a comparar o cenário político nacional com a Alemanha nazista e o Holocausto. Alvo de críticas de associações judaicas do Brasil e do exterior, do cônsul de Israel em São Paulo e da Embaixada de Israel, Weintraub fez novas publicações, e afirmou que tem direito de falar do Holocausto.

"Não falem em nome de todos os cristãos ou judeus do mundo. FALO POR MIM! Tive avós católicos e avós sobreviventes dos campos de concentração nazistas (foto). Todos eram brasileiros. TENHO DIREITO DE FALAR DO HOLOCAUSTO! Não preciso de mais gente atentando contra MINHA LIBERDADE!", escreveu na noite da quinta-feira, 28, o ministro.

Na manhã desta sexta-feira, 29, Weintraub voltou a comparar o extermínio judeu na Alemanha nazista com os acontecimentos do Brasil contemporâneo. Nas palavras de Weintraub, "a grande mídia nazista" afirmava que "o Holocausto não existe". Desde a operação da Polícia Federal no inquérito das fake news, aliados do governo federal têm denunciado ataque à liberdade de imprensa e expressão - o que foi comparado pelo ministro com a perseguição dos judeus.

O uso do Holocausto para fins de comparação foi duramente criticado pela comunidade judaica. Ontem, a Embaixada de Israel pediu publicamente que as comparações parassem de ser feitas para fins políticos e ideológicos. O cônsul geral de Israel em São Paulo, Alon Lavi, também criticou qualquer comparação com a "solução final" do nazismo, que resultou no extermínio de cerca de 6 milhões de judeus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.