Após relatório, Protógenes ataca PT no Twitter

O deputado Protógenes Queiroz (PCdoB-SP) falou em traição ao comentar o relatório de Amauri Teixeira (PT-BA) que pede a abertura de processo contra ele no Conselho de Ética. Protógenes foi flagrado em interceptações telefônicas da Polícia Federal conversando algumas vezes com Idalberto Matias Araújo, o Dadá, um dos integrantes do esquema do contraventor Carlinhos Cachoeira. Cabe agora ao Conselho decidir pela abertura ou não de processo. Para Teixeira, há indícios de quebra de decoro na ação do colega, que não deveria ter mantido "relacionamento próximo com um notório contraventor".

EDUARDO BRESCIANI, Agência Estado

06 Junho 2012 | 21h38

Em sua página no Twitter, o deputado do PCdoB questionou o posicionamento de Teixeira. "Recebi alguns telefonemas de colegas do PT falando que o parecer do Dep. Amauri do PT foi uma traição", escreveu.

Minutos depois, Protógenes começou a atacar o partido aliado. "Um passarinho me contou agora que o Dep. Amauri do PT cumpriu tarefa do PT em acordo com PSDB. Querem desviar o foco da corrupção da Delta". Ele ironizou ainda dizendo que seu maior "erro ético" foi propor a CPI do Cachoeira e disse haver documentos que provam sua inocência.

O jornal O Estado de S.Paulo revelou em abril que Protógenes aparece em grampos da Polícia Federal (PF). Numa das conversas com Dadá, os dois fazem combinação sobre depoimento que prestarão em sindicância da PF. Dadá auxiliou Protógenes na Operação Satiagraha quando o deputado ainda era delegado federal e ambos são investigados por possíveis irregularidades na investigação.

Nos áudios, Protógenes é chamado de "professor" e "presidente". Em depoimento à CPI do Cachoeira, em sessão secreta, o delegado Raul Alexandre Marques afirmou que diálogos indicam a intenção do deputado de se aproximar de Cláudio Abreu, ex-diretor da empreiteira Delta e principal elo da construtora com o contraventor.

Mais conteúdo sobre:
Protógenes quebra de decoro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.