Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Após reclusão, Aécio retoma agenda pública

O tucano cancelou diversas agendas desde domingo, quando o jornal Folha de S.Paulo publicou uma reportagem sobre a construção de um aeroporto em um terreno que pertenceu ao tio-avô de Aécio, Múcio Guimarães Tolentino. Ontem, o Estado revelou que o local já havia recebido dinheiro do governo de Minas também em 1983, quando o governador era Tancredo Neves, avô de Aécio - na época, o Estado pagou a construção de uma pista de terra para pousos e decolagens no local.

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2014 | 02h05

Após quase uma semana sem participar de eventos públicos, o senador Aécio Neves, candidato do PSDB à Presidência, vai retomar hoje sua agenda de campanha na favela do Vidigal, no Rio.

Nos últimos cinco dias, o candidato participou de apenas um evento, em Minas. Na terça-feira, reuniu-se no comitê com pessoas com deficiência e na sequência fez uma declaração à imprensa, mas não respondeu perguntas dos jornalistas.

Ontem, Aécio era esperado no "Ano Profético", principal atividade da igreja evangélica Sara Nossa Terra, mas viajou para o Rio e enviou seu candidato à vice, o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), para representá-lo. O governador Geraldo Alckmin (PSDB), candidato à reeleição, e o ex-governador José Serra (PSDB), que disputa o Senado, participaram do ato.

Aécio tem feito sua defesa por meio das redes sociais e por notas divulgadas no site da campanha. Ele alega que o terreno onde está o aeroporto foi desapropriado e classifica como ação "puramente eleitoreira" o pedido do PT para que o procurador-geral da República apure prática de ato de improbidade administrativa em sua gestão no governo mineiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.