Após quatro dias desaparecida, índia é encontrada morta no MS

O assassinato de Juliana Balbino é o 20º do ano na região, onde índice de suicídio é alto também

João Naves, da AE

23 Setembro 2007 | 17h00

Abandonada pelo marido e desaparecida há quatro dias, a índia caiová, Juliana Balbino, 39 anos, foi encontrada morta na noite do último sábado, em uma fazenda em Amambaí, no Mato Grosso do Sul, divisa com o Paraguai, extremo sul do Estado.  É o 20º. assassinato deste ano de indígenas que vivem na região, onde o índice de suicídio também é alto. De janeiro até julho foram registrados 19 casos. No mesmo período aconteceram 15 mortes de crianças indígenas, subnutridas.  Soma-se a esse quadro as brigas com lesões graves, principalmente provocadas por armas brancas, sendo no mínimo um caso por dia, somente em Amambaí onde vivem 12 mil índios em duas aldeias. A situação é mais grave em Dourados, com 12 mil indígenas vivendo em 10 mil hectares. O coordenador estadual do Conselho Indiginista Missionário, Egon Hech, afirma que a violência vai continuar aumentando nas 74 aldeias do MS, devido à concentração de índios, por metro quadrado.  Em Dourados, por exemplo, a média é de 331 índios por quilômetro quadrado, enquanto para população não indígena, a média é de 40 habitantes para a mesma área, na cidade.

Mais conteúdo sobre:
índioassassinatoDourados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.