André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Após protestos menores, Aécio diz que indignação permanece viva

Senador e presidente do PSDB não participou dos atos deste domingo e voltou a criticar o governo em seu perfil no Facebook

Letícia Sorg, O Estado de S. Paulo

14 de dezembro de 2015 | 09h24

São Paulo - Após os protestos que levaram menos manifestantes às ruas neste domingo, 13, o senador Aécio Neves (MG), presidente nacional do PSDB, afirmou que as mobilizações, que começaram a ser organizadas no dia 2, com a aceitação do pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, "mostraram que permanece vivo em grande parte da sociedade o sentimento de indignação e rejeição a esse governo", escreveu em sua página no Facebook.

O senador mineiro, que não participou das manifestações, repetiu a fala de um colega paulista, que esteve na Avenida Paulista. "Repetindo o que disse hoje o senador Aloysio Nunes, não vai ter golpe, vai ter é impeachment".

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), que disputa com Aécio a chance de disputar a Presidência pelo partido, afirmou que a cidade foi "novamente palco de uma demonstração popular espontânea, livre e pacífica". "A democracia ganha com isso", afirmou, em breve mensagem no Facebook na noite de ontem. "Esperamos que as instituições escutem a sociedade que representam e que respeitem a Constituição. Desejamos que o País volte ao normal. Que as pessoas e empresas retomem a rotina de investimentos, do emprego e da união entre todos."

A presidente Dilma Rousseff decidiu agradecer neste domingo a mensagem de apoio do ex-jogador de futebol argentino Diego Maradona. "Gracias", escreveu no Facebook, compartilhando mensagem do argentino: "Quiero enviar mi apoyo a la Sra. Presidenta Dilma Rousseff, mi corazón está contigo."

Os peemedebistas Michel Temer (SP), Eduardo Cunha (RJ) e Renan Calheiros (AL) não se pronunciaram. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, não rebateu nas redes o editorial da Folha de S. Paulo pedindo sua saída e voltou, nesta segunda-feira, a postar uma mensagem religiosa aos seus fãs no Facebook. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.