Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Mesário, sócio do Vasco, assinante do BBB: dados pessoais de general Heleno viram piada na internet

Imagem com resultado negativo para a Covid-19 mostrava RG e CPF do chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República

Bianca Gomes e Jussara Soares, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2020 | 19h50
Atualizado 01 de abril de 2020 | 20h16

Ao comemorar o resultado negativo do seu novo teste para a Covid-19, o chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, general Augusto Heleno, publicou nesta terça-feira, 31, uma foto do exame em que é possível ver os números do seu RG e CPF. O "descuido" do homem responsável pela inteligência do governo virou motivo de piada no Twitter e foi corrigido pelo general cerca de uma hora depois, quando ele republicou a imagem borrando os campos de dados pessoais. 

De filiado ao PT a sócio de clube, internautas não perdoaram o general e afirmam ter cadastrado seu RG e CPF em diversos sites. "É oficial: assinei o Globoplay no nome do General Heleno para usar mais uma semana grátis de Pay Per View do Big Brother. Valeu meu chapa", publicou um perfil do Twitter. Outra pessoa diz ter cadastrado o responsável pela inteligência da República como mésario voluntário das eleições 2020. 

Graças a internautas, Heleno agora também é sócio do Clube de Regatas Vasco da Gama, embora o general já tenha feito declarações favoráveis ao Flamengo. Usuários do Twitter também usaram os documentos para conseguir algumas vantagens, como acesso a cupons de novos cadastros. Além de consultar o CPF do General no Serasa e no SPC, postagens brincam que usaram os dados para pegar empréstimos na Casas Bahia e na Crefisa.  

Publicada por volta do 12h desta terça, a mensagem do general informava o resultado de seu segundo teste e agradecia o apoio da população. "Meu novo teste para coronavírus deu negativo, graças a Deus! Agradeço o apoio e as orações de todos os amigos e amigas. Seguimos juntos na batalha por um Brasil melhor!"

Procurado para reportagem, o GSI afirmou que os dados não são sigilosos e qualquer má utilização poderá incorrer em crime. "Os dados publicados constam do laudo sobre coronavírus do laboratório Sabin. Não são, portanto, dados sigilosos. Não há necessidade de qualquer operação de inteligência para obtenção de CPF e identidade de qualquer cidadão. São, praticamente, dados de domínio público. Qualquer prédio comercial com portaria organizada tira cópia da identidade de quem entra no edifício. Pessoas mal intencionadas sempre poderão se valer dos referidos dados. Se fizerem má utilização, cometerão crime e estarão sujeitas às penas da lei", diz o órgão, em nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.