Após pesquisa, Aécio vê 'avanço' na corrida eleitoral

Pré-candidato tucano à Presidência destaca 'desejo de mudança' do eleitor, mencionado por 74%, segundo Datafolha divulgado nesta sexta

Lucia Morel, especial para o Estado,

06 Junho 2014 | 15h53

Atualizado às 16h10

Campo Grande - O pré-candidato do PSDB à Presidência, senador Aécio Neves (MG), afirmou ver "avanço" na corrida eleitoral, ao comentar os resultados da pesquisa de intenções de voto do Instituto Datafolha, divulgada nesta sexta-feira, 6. O senador voltou a destacar o porcentagem do eleitorado que manifesta "desejo de mudança".

"Sempre vejo as pesquisas com cautela, mas não posso deixar de reconhecer um avanço", disse Aécio durante evento com correligionários e coligados nesta manhã. De acordo com a pesquisa, as intenções de voto na presidente Dilma Rousseff (PT) caíram de 37%, em maio, para 34%. Aécio oscilou negativamente, de 20% para 19%. Já o pré-candidato do PSB, Eduardo Campos, caiu de 11% para 7%. Sobre o desejo de mudança, 74% dos eleitores disseram querer que as ações do próximo presidente sejam diferentes das adotadas pelo atual ocupante do cargo. O índice é o mesmo do registrado na última pesquisa.

Aécio destacou o dado do levantamento que o coloca como o segundo nome mais citado quando os eleitores foram questionados sobre quem é mais preparado para realizar mudanças no País. O senador foi mencionado por 21% dos entrevistados. Em primeiro lugar ficou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com 35%. Na sequência foram mencionados Dilma (16%) e Campos (9%).

Durante o evento, o pré-candidato criticou a política econômica do governo Dilma. Para ele, o Brasil teve um crescimento "pífio" no primeiro trimestre, de 0,2%. "Se não fosse o agronegócio, nós teríamos um crescimento negativo", sustentou, ao comentar ainda que "ao longo dos últimos anos, o agronegócio tem segurado a economia brasileira". O candidato também comparou o desempenho brasileiro aos resultados obtidos pelos países da América do Sul. "O Brasil precisa de um choque para ter maior eficiência e competitividade econômica."

O diretório nacional do PSDB destacou o fato de que os candidatos da oposição já somam 35% das intenções de voto, mais do que os 34% registrados por Dilma. Em nota publicada no site do partido, o PSDB também ressaltou que diferença entre Aécio e a presidente caiu num eventual segundo turno e que Dilma tem a maior taxa de rejeição entre os pré-candidatos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.