GABRIELA BILO/ESTADÃO
GABRIELA BILO/ESTADÃO

Após o rebaixamento da nota do Brasil, Alckmin diz que recuperação da economia é nítida

Governador e pré-candidato tucano à Presidência defende a necessidade da reforma da Previdência para evitar "voo de galinha"

Paula Reverbel, O Estado de S.Paulo

13 Janeiro 2018 | 13h41

Mesmo após o rebaixamento da nota de crédito do Brasil, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, pré-candidato tucano à Presidência, disse neste sábado, 13, que "é nítida da recuperação da economia" do País e defendeu a necessidade da reforma da Previdência para evitar "voo de galinha".

"É nítida a recuperação da economia. Acho que estamos, depois de mais de três anos de recessão, em um processo de recuperação econômica que é muito importante. De emprego. Agora, isso precisa ter sustentabilidade. Não precisamos ter voos de galinha, precisamos ter crescimento que se sustente, e para isso precisa ter agenda de reformas", afirmou, durante um evento do governo na Estação Vila Prudente do Metrô.

Sobre o rebaixamento da nota de crédito do Brasil, o tucano disse que a aprovação da reforma da Previdência é a primeira resposta para enfrentar o problema fiscal do País.

"Claro que não é uma boa notícia, mas eu acho que é possível recuperar. É evidente que há um problema fiscal que precisa ser enfrentado rapidamente. E acho que a primeira resposta a isso deve ser a aprovação da reforma da Previdência", disse.

Nesta sexta, 12, a agência de classificação de riscos Standard & Poor’s informou que rebaixou a nota de crédito do Brasil em razão de “constantes” atrasos na aprovação das novas regras nas aposentadorias.

Elogio. Perguntado sobre a reportagem do Estado de hoje, segundo a qual presidente Michel Temer elogiou o governador paulista como uma forma de frear atrito entre dois aliados – o presidente da Câmara dos Deputados e o ministro da Fazenda –, Alckmin se disse "muito honrado".

Em entrevista ao Estado, Temer afirmou que Alckmin preenche os requisitos de “segurança e serenidade” esperados pelos brasileiros e se disse "amigo do Geraldo há muitos anos". Também classificou a falta de apoio do governador na época em que sofreu duas denúncias como assunto passado.

Na mesma entrevista, Temer admitiu preferir que o ministro Henrique Meirelles (PSD) continue na Fazenda e opinou que o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) tende a disputar a reeleição à Presidência da Câmara. Ambos são, como Alckmin, pré-candidatos à Presidência.

Perguntado, o tucano não quis falar das declarações de Temer sobre Meirelles e Maia. "Olha, eu não vou fazer comentário, ta bom?"

Poupatempo. Alckmin esteve na Estação Vila Prudente do Metrô para lançar um livro que conta a história de 20 anos do Poupatempo e divulgar a instalação, há 20 dias, de 30 totens de autoatendimento em estações de Metrô, shoppings e supermercados.

Para demonstrar o totem na Vila Prudente, Alckmin emitiu a sua certidão de antecedentes criminais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.